São já 77 as pessoas contaminadas com a Covid-19 entre as forças de segurança portuguesas: 52 na Polícia de Segurança Pública (PSP) e 25 na Guarda Nacional Republicana (GNR). Entretanto, os 207 agentes da PSP que estavam em isolamento já regressaram ao serviço, avança esta força de segurança em comunicado.

Na nota enviada na tarde desta sexta-feira, a Direção Nacional da PSP detalha que, dos 52 profissionais infetados com o novo coronavírus, 46 são polícias. Os restantes seis são técnicos sem funções policiais. Todas os outros profissionais da PSP que tiveram em contacto direto com estes doentes foram sinalizadas às autoridades de saúde e encontram-se em isolamento. Quantos? O comunicado da PSP avança apenas que o número se situa abaixo dos 400.

De registar que se verifica, até à presente data, uma taxa de crescimento dos casos confirmados inferior à média nacional, não obstante o trabalho de primeira linha, em direta interação com os cidadãos em espaços abertos e locais de risco”, informa a PSP.

Em contrapartida, os 207 polícias que se encontravam em isolamento já regressaram entretanto ao serviço. Houve ainda 42 profissionais submetidos a teste por terem sintomas sintomas e cujo resultado deu negativo.

Depois de a esquadra da PSP em Gaia ter sido encerrada porque um polícia testou positivo para a Covid-19, a Direção Nacional informa no mesmo comunicado que “desde dia 30 de março nenhuma esquadra se encontra em plano de contingência, isto é, temporariamente encerrada ou a executar a missão quotidiana com apoio permanente de outras subunidades”.

O número de casos confirmados da doença é inferior entre os guardas da GNR: 25 face aos 52 na PSP. Fonte oficial desta força de segurança militar, disse ao Observador que, além dos casos confirmados, há ainda o registo de 182 isolamentos e 166 quarentenas.

Mulher cospe em militar da GNR e diz que está infetada, mas não é testada. Quatro militares em isolamento

Entre os militares da GNR isolados estão quatro que aguardam teste depois de uma mulher de nacionalidade italiana lhes cuspir na cara e dizer que estava infetada como novo coronavírus, como forma de resistir à detenção, em Vila do Bispo. Os militares vão realizar os testes para a Covid-19, mas a mulher e um homem com quem estava foram colocados em liberdade, sem serem rastreados.