Poderia ser uma filme de ficção científica ou uma experiência de realidade alternativa, se vista de fora, tais não são os ingredientes que tornam a Nicaruágua um país à parte em época de paralisação de boa parte do mundo devido à Covid-19.

Enquanto os campeonatos de futebol pararam em praticamente todo o mundo, salvo exceções como a liga da Bielorrússia, na Nicaruágua os jogos da primeira divisão continuam a disputar-se. Enquanto a larga maioria dos Governos decreta o confinamento e a distância social, na Nicarágua o regime parece querer ignorar o novo coronavírus. E enquanto por todo o mundo os chefes de Estado vão-se dividindo entre aparições públicas e declarações transmitidas por vídeo, na Nicarágua ninguém vê o Presidente há mais de um mês.

Um Chefe de Estado visto pela última vez a 12 de março

Os relatos sobre o modo como o país está a lidar com a pandemia que já infetou mais de dois milhões de pessoas e já matou mais de 125 mil em todo o mundo são dados por jornais como o espanhol El Mundo e estações como a norte-americana CNN.

@ INTI OCON/AFP via Getty Images

Um dos ingredientes mais inusitados na atual situação política, social e sanitária na Nicarágua é o paradeiro desconhecido do Presidente, Daniel Ortega, de 74 anos. Ortega exerce o cargo de Chefe de Estado ininterruptamente há 13 anos, desde 2007, mas já soma quase 25 anos como Presidente da Nicarágua, dado que antes ocupara o cargo entre 1979 e 1990.

A 21 de fevereiro, há quase dois meses, foi visto pela última vez nas ruas, numa “parada militar” no país, conta a CNN. Há pouco mais de um mês, a 12 de março, participou numa conferência em vídeo com outros chefes de Estado da região da América central. Desde aí, nunca mais apareceu: nem em vídeo, nem em fotografias, nem em conferências de imprensa.

Suspensões, ameaças e um medo que não trava a “diversão do povo”: como é a liga de futebol (e de beisebol) na Nicarágua

Um dos traços muito particulares do regime de Daniel Ortega, que no passado já foi acusado de “assassínios, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de tortura e detenções arbitrárias” por entidades como a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos e o conselho da ONU para os Direitos Humanos (as acusações foram refutadas), é o facto de a vicepresidência ser assegurada pela primeira dama, Rosario Murillo.

A vicepresidente do país é “conhecida pelas suas veleidades esotéricas” e pelos discursos que se assemelham “a sermões”, escreve o jornal El Mundo. Alegadamente concertada com o Presidente, Rosario Murillo garante que Daniel Ortega está “a trabalhar, a dirigir e coordenar todos os esforços” para lidar com a pandemia — mas, na verdade, ninguém sabe onde está — o que, dado o seu historial clínico de problemas de saúde no passado (já foi, por exemplo, operado ao coração em Cuba), levanta preocupações.

O El Mundo faz mesmo uma relação entre o Ortegismo e o Chavismo e Castrismo, dado que também na Venezuela de Hugo Chávez e na Cuba de Fidel Castro, em diferentes momentos, a informação disponibilizada sobre a condição dos líderes políticos foi pouca, mereceu ceticismo da oposição e acabou por se revelar pouco fidedigna. Citado pelo jornal espanhol, o diretor do Observatório dos Diretos Humanos para o continente americano, José Miguel Vivanco, não arriscou prognósticos quanto ao paradeiro ou estado do presidente da Nicarágua, mas deixou críticas: “A irresponsabilidade de Ortega põe em cheque a saúde e a vida dos cidadãos da Nicarágua”.

O Presirdente da Nicarágua, Daniel Ortega, que a população não vê há mais de um mês (@ INTI OCON/AFP via Getty Images)

Escolas abertas, lojas abertas, fronteiras abertas e gente nas ruas

A forma como o país está a lidar com a propagação da pandemia merece as maiores dúvidas de especialistas internacionais. Desde logo porque os números divulgados pelas autoridades de saúde e pelo Governo, que apontam para apenas nove casos de infeção confirmada, uma morte e nenhum caso de transmissão local do vírus — “graças infinitas a Deus” —, são questionados por peritos. E depois porque o confinamento, adotado por muitos cidadãos da Nicarágua que temem o contágio, não é medida recomendada de forma generalizada e muito menos foi decretada pelo regime.

Como explica a CNN, “virtualmente nada” foi feito para parar a propagação do contágio. “As escolas continuam abertas, as lojas continuam abertas, as fronteiras continuam abertas” — e o governo “não impôs quaisquer regras para fomentar o distanciamento social”.

No último fim-de-semana, foi especialmente notório que o regime está a governar em contramão com outros países vizinhos. No sábado, realizou-se, tal como de costume, uma procissão, que até teve a oposição da Igreja Católica, que recomenda o confinamento do país. Além disso, refere o El Mundo, realizou-se ainda “um festival de concertos” ao ar livre e outras atividades nas ruas, tendo ainda havido aglomeração de pessoas num mercado na capital do país, Managua.

Procissão na Nicarágua, na passada sexta-feira, 10 de abril (@ INTI OCON/AFP via Getty Images)

O Governo do país terá até criminalizado o uso de máscaras faciais de proteção: segundo o El Mundo, aqueles que as usam estão agora a ser classificados como “golpistas” e “terroristas”.

Carissa F. Etienne, diretora da Organização Mundial de Saúde para a Região Americana, é uma das peritas que se mostra crítica da gestão que o país está a fazer da pandemia. “Temos preocupações relativamente aos testes, ao rastreamento de contactos [dos infetados] e ao registo oficial de casos. Também estamos preocupados com o que vemos como uma prevenção e controlo inadequadas da infeção”, apontou, citada pela CNN. As preocupações foram manifestadas “tanto informalmente como formalmente” junto das autoridades da Nicaruágua, apontou Carissa F. Etienne — mas, até ver, a resposta à pandemia no país não se alterou.