A taxa de juro para aquisição de habitação nos últimos três meses desceu 1,3 pontos base em março relativamente a fevereiro, permanecendo praticamente inalterada no total dos contratos, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Para o financiamento à aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, “nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este destino de financiamento diminuiu 1,3 p.b. no mês em análise, fixando-se em 1,115%”, o que compara com os 1,128% registados em fevereiro, segundo o INE.

No total do crédito à habitação, “nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 1,118% (1,131% no período precedente)”.

Já “a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi 0,998% em março (0,997% no mês anterior)”, permanecendo assim praticamente inalterada, e para aquisição de habitação foi de 1,019%, mais 0,1 pontos base face a fevereiro.

Os dados esta segunda-feira divulgados pelo INE revelam ainda que a prestação média vencida na totalidade dos contratos foi de 249 euros, um aumento de um euro face a fevereiro.

Deste valor, 45 euros (18%) correspondem a pagamento de juros e 204 euros (82%) a capital amortizado”, pode ler-se no destaque do instituto de estatística.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, “o valor médio da prestação desceu 6 euros, para 336 euros”, de acordo com o INE.

Já em termos de capital em dívida na totalidade dos contratos de empréstimo, este subiu 85 euros face a fevereiro, situando-se nos 53.840 euros, e para os contratos celebrados nos últimos três meses, a média do capital em dívida foi de 106.140 euros, mais 244 que em fevereiro.