A Deco questionou os hospitais privados sobre reclamações que dizem respeito à cobrança de equipamentos de proteção individual utilizados pelos profissionais de saúde como custo adicional para os pacientes, anunciou o coordenador do departamento jurídico e económico da empresa esta quarta-feira. Paulo Fonseca apela aos consumidores para que “façam reclamação” caso paguem este valor e garante estar atento à situação, acusando as unidades privadas de falta de “clareza e transparência relativamente aos preços”.

Para além da prestação dos encargos decorrentes da prestação dos cuidados de saúde, é também aplicado ao consumidor uma tarifa adicional decorrente de um kit que é disponibilizado não para o próprio consumidor, parece-nos, mas para o próprio profissional”, explica, em entrevista à Rádio Observador.

“Façam reclamação”, diz Deco sobre cobrança aos consumidores de equipamentos de proteção em hospitais privados

Paulo Fonseca detalha ainda que foram levantadas várias questões. A primeira vai “no sentido de informar previamente os consumidores”.

A segunda questão “é a que se prende com a razoabilidade da cobrança destes equipamentos, daí que tenhamos enviado uma carta à entidade reguladora da saúde para questionar se estes equipamentos podem ou não ser cobrados adicionalmente ao próprio consumidor”, explica.

Já a terceira questão apontada pelo entrevistado tem a ver com os próprios preços praticados. “Não existe uma clareza nem transparência relativamente aos preços. Não sabemos os preços que estão a ser praticados nem como é que chegam a estes valores”, lamenta.