A seguradora Fidelidade iniciou a compra de 8 mil assinaturas de oito jornais portugueses, entre os quais o Observador, a quem vai adquirir um pacote com mil assinaturas. O objetivo da iniciativa, diz a empresa, é “ajudar os grupos de comunicação a suportar as dificuldades criadas no contexto da Covid-19”.

Além do Observador, a Fidelidade vai comprar assinaturas do Diário de Notícias, do Público, do Jornal i, do Eco, do Expresso, Jornal de Negócios e Jornal Económico, reconhecendo “a importância decisiva” da imprensa para o “desenvolvimento de uma sociedade informada, democrática e plural”.

Estas assinaturas vão ser distribuídas por funcionários e parceiros da companhia, “também como forma de apoiar a situação de teletrabalho em que uma larga maioria deles se encontra”.

O presidente da Fidelidade, Jorge Magalhães Correia,  considerou – num comunicado sobre a iniciativa – que “apoiar a Comunicação Social nesta fase delicada é uma obrigação que resulta da nossa responsabilidade social promovendo os valores da cidadania e da literacia que consideramos fundamentais”.