A presidente do Centro Português de Fundações, Maria do Céu Ramos, enviou recentemente um conjunto de cartas ao primeiro-ministro, Presidente da República e presidente da Assembleia República a manifestar a disponibilidade das fundações portuguesas para colaborar nos esforços de recuperação do país na sequência da pandemia da Covid-19.

Na carta, Maria do Céu Ramos sublinha a “presença e disponibilidade do sector fundacional para integrar o esforço nacional de recuperação da estabilidade social e económica”.

O Centro Português de Fundações, criado em 1993, reúne algumas das maiores fundações portuguesas, incluindo a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação Casa da Música, a Fundação Francisco Manuel dos Santos, a Fundação Eugénio de Almeida ou a Fundação EDP.

“As fundações portuguesas, solidárias e ativas, estão a desenvolver ações específicas com as pessoas, com as comunidades e também de apoio direto ao combate ao surto, em várias unidades por todo o país. É também relevante o empenho na investigação científica, ou, ainda, na constituição de fundos financeiros e programas de ação para minorar os efeitos sociais e económicos desta crise”, explica Maria do Céu Ramos na missiva enviada a Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Eduardo Ferro Rodrigues.

De acordo com a responsável daquela instituição, “a missão das fundações é o serviço às pessoas e à comunidade e o sector fundacional revela-se, como sempre, mobilizado para encontrar respostas positivas às necessidades, quer de âmbito local quer nacional, ao lado de tantos outros, por todos”. Maria do Céu Ramos acrescenta que o “espírito filantrópico” se reforça “na partilha e na colaboração com outras instituições da sociedade”.

O Centro Português de Fundações já tinha lançado uma página na internet em que reúne iniciativas que várias fundações portuguesas já têm vindo a desenvolver, em diferentes áreas de atividade, para ajudar aos esforços de combate à pandemia.