Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na última quarta-feira, Kevin Spacey quis colocar a atual crise mundial em perspetiva e acabou mesmo por comparar o fim abrupto da sua carreira à perda do emprego que está a afetar milhões de pessoas em todo o mundo, devido ao surto do novo coronavírus.

Tudo aconteceu porque foi convidado a participar à distância numa conferência alemã intitulada Bits & Pretzels. Durante a sua intervenção, disse identificar-se com as pessoas que estão, atualmente, a perder o emprego. “Acho que não é surpresa para ninguém se disser que o meu mundo mudou por completo no outono de 2017. O meu trabalho, as minhas relações, eu próprio — tudo desapareceu numa questão de horas”, afirmou durante a conferência, cujo vídeo foi partilhado.

“Neste caso, acho que sei o que é ter o mundo a parar de repente”, continuou, depois de ter referido que não tem por hábito presumir que sabe ou compreende o que os outros estão a passar. “Estamos em situações semelhantes, ainda que por razões muito diferentes. Sinto que algumas destas lutas emocionais são praticamente as mesmas. Portanto, sinto uma empatia com quem é informado, de repente, que não vai voltar ao trabalho ou que vai perder o emprego. É uma situação que ninguém controla”, afirmou o ator de 60 anos, a discursar remotamente.

Esta foi a primeira vez que Kevin Spacey surgiu para falar em público, sem ser em personagem. Entre 2017 e 2018, o ator foi acusado de assédio sexual e ofensas corporais. A acusação foi retirada em julho do ano passado, mas o ator que era a estrela da série House of Cards não retomou a sua carreira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR