Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A notícia de que o Reino Unido vai impor uma quarentena de 14 dias a todas as pessoas que chegarem ao país vindas do estrangeiro a partir do dia 8 de junho, confirmada na sexta-feira, preocupou o Governo português: os britânicos representam uma fatia considerável dos turistas que se deslocam a Portugal no verão.

Mas, de acordo com a edição deste sábado do Jornal de Notícias, Portugal e o Reino Unido estão a negociar a criação de um corredor bilateral para o turismo que permita assegurar estas deslocações.

O jornal cita uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros que destaca os “relevantes interesses recíprocos” entre Portugal e o Reino Unido. O Governo “está convicto de que será possível acordar uma solução que assegure esses interesses, tendo designadamente em vista o próximo período estival”, diz a mesma fonte.

Santos Silva diz que turistas são “bem-vindos” e que emigrantes que viajem de França poderão ter “corredores de trânsito”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta solução, que abre exceções na regra de que qualquer pessoa que entre em território britânico (independentemente da nacionalidade, incluindo os próprios britânicos) deve permanecer em quarentena obrigatória durante 14 dias, está a ser negociada pelo Reino Unido com vários países onde a incidência da pandemia é mais baixa — como Portugal, Grécia, Austrália ou Nova Zelândia.

A medida é sobretudo importante para a região do Algarve, onde chegam muitos destes turistas durante o verão. Segundo o JN, as três companhias aéreas que mais operam no aeroporto de Faro (Easyjet, Jet Turbo e Ryanair, que representam 70% do movimento daquele aeroporto) vão retomar a atividade entre o fim de junho e o início de julho.

França impõe quarentena recíproca

Também na sequência da decisão britânica de impor quarentena obrigatória a todos os cidadãos que entram no país, França decidiu impor uma quarentena “recíproca” para todas as pessoas que cheguem ao país vindas do Reino Unido.

De acordo com a embaixada francesa em Londres, as pessoas que entrarem em França, independentemente da sua nacionalidade, oriundas do Reino Unido terão de ficar em quarentena a partir do momento em que a regra britânica entrar em vigor.

A medida está a ser interpretada como uma resposta à iniciativa do Reino Unido, mais do que como uma precaução de saúde pública. No caso francês, a quarentena será voluntária, ao contrário do que acontecerá no Reino Unido.

Segundo o Governo britânico, todas as pessoas que chegarem ao Reino Unido têm de preencher um formulário e indicar a morada onde vão permanecer durante a quarentena. Se não o fizerem, podem ser multadas até 100 libras. Depois, as autoridades britânicas podem fazer visitas surpresa aos cidadãos para confirmar o isolamento. Em caso de incumprimento, pode haver lugar a multas até às mil libras.