O chefe da procuradoria de Manhattan, Geoffrey S. Berman, que investigava várias pessoas próximas do presidente norte americano foi demitido pelo próprio Donald Trump, noticia o The Telegraph.

Barr anunciou a demissão de Berman ainda na sexta-feira, mas este insistiu que não abandonaria o cargo. À frente de investigações por crimes de corrupção de pessoas do círculo íntimo de Trump, tendo mesmo avançado com um processo contra o antigo advogado do presidente e que levou à prisão de Michael Cohen, Berman investigava agora Rudolph Giuliani, o seu atual advogado.

O “capo” Michael Cohen tentou ferir o “Padrinho”. O golpe terá sido fundo?

O Departamento de Justiça divulgou uma carta de Barr a dizer que Berman preferia o “espetáculo público ao serviço público”, não querendo deixar o seu cargo. E que foi por isso que pediu a Trump para o demitir. “Como não quiseste sair demitir-te, pedi ao presidente para te retirar do lugar e ele assim o fez”, explicou.

Berman já anunciou que uma vez que Barr já designou Audrey Strauss para o seu lugar que irá abandonar o cargo, deixando grandes elogios à sua sucessora, dizendo que “é a procuradora mais inteligente” e com mais princípios com quem já teve “o privilégio” de trabalhar.