Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai reunir-se na sexta-feira com o Conselho de Defesa do país para avaliar um eventual encerramento das fronteiras de forma a conter a propagação da Covid-19, revelou na quarta-feira um porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, citado pela agência Efe, após uma reunião do conselho de ministros. A possibilidade está em cima da mesa após um agravamento da situação epidemiológica na Catalunha, região espanhola que faz fronteira com França, mas Gabriel Attal não especificou que fronteiras ao certo poderão ser afetadas.

“Não descartamos nada por princípio. Observamos a situação tal como ela é. Observamos todas as medidas que se podem tomar para garantir a segurança sanitária”, disse. Segundo o responsável, cerca de 350.000 trabalhadores cruzam diariamente a fronteira entre os dois países, o que deverá ser tido em conta na decisão que sair do Conselho de Defesa. “Não se exclui absolutamente nada, não há nenhum tabu sobre esta questão”, frisou.

A única coisa que nos preocupa é a proteção dos franceses, é a única coisa que nos guia e que nos levará a tomar outras decisões sobre a questão das fronteiras”, cita ainda a agência Efe.

A possibilidade não é absolutamente nova. No sábado passado, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, disse que “não descarta a possibilidade de fechar de novo a fronteira” com Espanha. “Por agora, a situação local não é grave, mas devemos estar vigilantes e discutir o problema com as autoridades espanholas”, afirmou, citado pelo espanhol ABC, numa visita a Prades, um comuna francesa junto à fronteira com Espanha. Jean Castex comentou mesmo a evolução da situação em Espanha, mais concretamente em Barcelona, onde os números “são muito piores do que aqueles que observamos em França”, disse. “Inquieta-nos.”

Na quarta-feira, o número de novas infeções em Espanha disparou, tendo o país registado 730 novos infetados, mais 201 do que no dia anterior. Esta quinta-feira, o número voltou a subir: foram registados mais 971 casos. Destes, 415 foram na região de Aragão, que também faz fronteira com França, e 183 na Catalunha.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR