O deputado único da Iniciativa Liberal (IL) disse que estar-se há dois meses a falar da Festa do Avante dá a entender que os partidos políticos tem “prerrogativas” que outras instituições e cidadãos não têm.

“Estar há dois meses a falar da Festa do Avante e das condições das regras que se vão aplicar nessa festa, quando já houve dezenas, provavelmente centenas de eventos culturais cancelados ou profundamente alterados, dá a entender que os partidos políticos têm nesta matéria prerrogativas que outras instituições ou cidadãos não têm”, afirmou João Cotrim Figueiredo.

O liberal falava esta segunda-feira à Lusa à margem da tertúlia de celebração dos 200 anos da Revolução Liberal, no Porto. Na opinião do deputado está a dar-se “demasiado tempo de antena e atenção” a algo claro, ou seja, todos os eventos culturais tem regras de distanciamento social e se os organizadores não as puderem garantir, não podem realizar o evento e “ponto final”.

Os direitos que os partidos políticos têm não devem ser mais do que aqueles que os cidadãos têm, salientou, acrescentando que as regras da Direção-Geral da Saúde (DGS) tem de ser iguais para todos. O PCP já anunciou que vai limitar a entrada na Festa do Avante a um terço da capacidade total, ou seja, para cerca de 33 mil pessoas, decido ao contexto de pandemia de covid-19.

O espaço de 30 hectares das Quinta da Atalaia e do Cabo da Marinha, na Amora (Seixal), vai assim proporcionar cerca de nove m2 para cada militante ou visitante, entre 04 e 06 de setembro. Em recente comunicado, os comunistas garantem “toda a responsabilidade” e “condições” para o “usufruto em tranquilidade e segurança”.

A definição das orientações de segurança e das condições de realização da Festa do Avante, por causa da pandemia de covid-19, ainda não está fechada, revelou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

“As regras não estão encerradas. A DGS está a analisar o evento como aquilo que é: Um evento de massas. É uma análise de muito pormenor, que permita que o evento possa decorrer com as regras em vigor e que permitam a segurança de quem for ao evento”, afirmou a diretora-geral da Saúde.