Duas turmas inteiras, da sala dos 4 anos e do 3.º ano, e um grupo de alunas do 5.º ano estão de quarentena, depois de dois alunos dos colégios Fomento, em Lisboa, terem tido teste positivo à Covid-19. No total, são 59 estudantes que foram colocados em quarentena profilática por indicação da delegada de saúde, depois de dois irmãos — um rapaz do 3.º ano do colégio Planalto e uma rapariga do 5.º ano do Mira Rio — terem testado positivo. Há ainda uma irmã mais nova, da sala dos 4 anos, que também foi testada, mas o resultado foi negativo.

Já em Carcavelos, no Saint Julian’s (colégio inglês), os alunos do 7.º ao 12.º ano estão de quarentena, segundo avançou a TSF e o Observador confirmou, depois de terem sido detetados quatro casos de Covid-19, em dois alunos e dois professores.

“O pai destas crianças teve teste positivo na quinta-feira passada e avisou o colégio às 22 horas, quando soube o resultado”, conta ao Observador Margarida Garcia dos Santos, administradora dos Colégios Fomento. No dia seguinte, sexta-feira, já nenhum dos três irmãos foi à escola e todos fizeram o teste ao novo coronavírus. No sábado, soube-se que os dois mais velhos também tinham sido contagiados, enquanto que a criança mais nova teve teste negativo.

“Assim que soubemos dos resultados, no sábado, falámos com a delegada de saúde do Agrupamento de Centros de Saúde de Lisboa Norte, acionámos o plano de contingência e seguimos à risca as indicações que nos foram dadas”, esclarece Margarida Garcia dos Santos.

Assim, no colégio Mira Rio — frequentado apenas por raparigas a partir do 1.º ciclo já que os  Colégios Fomento seguem o modelo de educação diferenciada — foram enviados para casa 36 alunas. No Planalto, só para rapazes, forma 23 alunos.

“As 25 crianças da sala dos 4 anos do Mira Rio, assim como a educadora e as duas auxiliares que fazem parte da mesma bolha, estão todos de quarentena, uma vez que não usam máscara. No Planalto, a decisão foi igual. Os 23 alunos do 3.º ano, que também não usam máscara, mais o professor titular da turma ficaram todos de quarentena”, detalha a administradora dos colégios — uma cooperativa ligada ao Opus Dei criada por um grupo de pais.

No 5.º ano, uma vez que as alunas já usam máscara, as indicações dadas pela delegada de saúde foram diferentes. “Aqui entrou o conceito de alunas contactantes e ficaram de quarentena 11 amigas da estudante. O que isto quer dizer é que vão para casa apenas as crianças que estiveram mais próximas da aluna que teve teste positivo no refeitório e à hora do lanche, que é a única altura em que não usam máscara”, explica Margarida Garcia dos Santos, frisando que até nos recreios as jovens têm de andar sempre com a proteção individual posta.

Em nenhum dos casos houve indicação da delegada de saúde para que fossem feitos testes à Covid-19.

No Colégio Planalto estudam 508 alunos, no Mira Rio, 498 alunas. Ambos têm oferta da creche ao 12.º ano, funcionando das 8h00 às 19h00. Atualmente, e seguindo as indicações da Direção Geral de Saúde, todas as escolas privadas do grupo Fomento funcionam seguindo a lógica de bolha: uma sala por turma, horários desfasados no recreio e refeitório e circuitos personalizados.

Saint Julian’s. Dois alunos e dois professores infetados

Foi também no fim de semana que outro colégio foi informado de que vários membros da comunidade educativa estavam infetados. No Saint Julian’s School, em Carcavelos, os alunos de seis anos letivos — Y8 a Y13 (7.º a 12.º ano no currículo português) — bem como os seus professores começaram uma quarentena profilática de 14 dias no domingo.

Segundo o comunicado da escola, foram detetados quatro casos positivos na escola internacional durante o fim de semana: dois professores e dois alunos do ensino secundário. Os estudantes não têm qualquer ligação entre si ou aos professores afetados, lê-se na mesma nota, que acrescenta que todos os alunos e professores que tiveram contacto direto com os casos confirmados irão ser testados pelo Serviço Nacional de Saúde, segundo decisão da delegada de saúde de Cascais. 

(atualizado às 15:52 com o comunicado do colégio Saint Julian’s)