O mais recente livro de Robert Galbraith, pseudónimo que J.K. Rowling usa para assinar os seus thrillers, permanece no número 1 do top de vendas britânico apesar da nova polémica em torno da autora. Troubled Blood entrou diretamente para o primeiro lugar quando foi lançado a 15 de setembro e aí continua apesar das críticas dirigidas a Rowling, acusada de transfobia na sequência de uma crítica publicada no jornal The Telegraph.

Segundo a The Bookseller, Troubled Blood está muito perto de se transformar no livro mais vendido de Galbraith, depois de ter vendido vários milhares de cópias na primeira semana nas livrarias.

A polémica em torno do thriller, sobre um homem que veste roupa de mulher para cometer os crimes que a autora disse ser inspirado num caso real, começou com uma crítica do Telegraph, na qual o autor se questionou sobre “o que os críticos da postura de Rowling em relação aos assuntos trans vão dizer de um livro cuja moral parece ser: nunca confiem num homem de vestido”.

A escritora tem sido alvo de duras críticas em relação à sua posição relativamente aos direitos LGBTIQ desde que fez pouco de um artigo sobre “a criação de um mundo pós Covid-19 mais igualitário para pessoas com menstruação”.

A peça do jornal britânico levou a uma nova onde acusações de transfobia dirigidas à escritora e a apelos no Twitter para que o romance fosse queimado, refere o The Guardian. Ao contrário do que aconteceu em junho, quando Rowling fez o comentário e passou uma semana a tentar esclarecer o assunto junto dos fãs no Twitter, desta vez a autora optou por permanecer em silêncio.

Mas os ataques à autora de Harry Potter continuaram e, esta semana, um grupo de 58 celebridades decidiu sair em sua defesa.  Numa carta dirigida ao editor do The Times, declararam que J.K. Rowling tem sido “sujeita a um um abuso violento que mostra uma tendência insidiosa, autoritária e misóginia das redes sociais”, apesar de ela se ter mostrado de forma consistente como uma “pessoa honrada e compassiva”.