O Governo da Tanzânia pediu esta quinta-feira meios de reforço, nomeadamente helicópteros e aviões, para ajudar a apagar um incêndio no Monte Kilimanjaro, a montanha mais alta de África, com 5.926 metros.

O Ministro dos Recursos Naturais e Turismo, Hamisi Kigwangalla, disse esta quinta-feira na sua conta na rede social Twitter que pediu o apoio de helicópteros e aviões de combate a incêndios para ajudarem os mais de 500 bombeiros que estão a combater as chamas nas encostas do Parque Nacional do Kilimanjaro.

O fogo espalhou-se, tornando-se mais difícil controlar as chamas, disse Kigwangalla, acrescentando que “o desafio é o vento forte, o prado seco e o mato”.

O incêndio já queimou 28 quilómetros quadrados de vegetação e está agora muito ativo numa área conhecida como Monte Kifunika, explicaram as autoridades do parque.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os bombeiros fizeram progressos no controlo do fogo, mas, depois, os ventos fortes reacenderam os incêndios na quarta-feira, provocando enormes chamas que podiam ser vistas até 30 quilómetros de distância, na cidade de Moshi, no norte da Tanzânia.

O incêndio destruiu ainda o Campo Turístico Horombo, queimando 12 cabanas e equipamento solar, disse Kigwangalla.

O fogo começou no domingo à tarde, na área de Whona, uma paragem para os que escalam o Monte Kilimanjaro, uma das principais atrações turísticas da Tanzânia, e utilizam as rotas de Mandara e Horombo, afirmou o ministro, que adiantou ainda que a causa deste incêndio é desconhecida.