A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP) vai colocar, esta quinta-feira, um cartaz junto à Presidência da República para alertar Marcelo Rebelo de Sousa para a falta de resposta do Governo na resolução dos problemas dos polícias.

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, disse à agência Lusa que o cartaz tem “uma provocação” ao referir “vamos fazer greve…”, uma vez que os polícias não podem fazer greve, mas “só aqueles que têm direito à greve é que ficam com os problemas resolvidos”.

Esta iniciativa de protesto surge após a ASPP ter colocado, em setembro, dois outros cartazes junto à Assembleia da República e à Praça do Município, em Lisboa, para alertar o governo para as necessidades dos polícias e dar a conhecer aos portugueses “os graves problemas” da PSP.

Paulo Rodrigues afirmou que não existiu qualquer resposta por parte do Governo e a proposta do Orçamento do Estado para 2021 mostra que os polícias continuam a ser ignorados.

“Há cerca de um ano, o primeiro-ministro e Presidente da República afirmaram que em 2021 existiria um conjunto de respostas aos problemas na PSP. Infelizmente a palavra dada não foi honrada. Não se vislumbra qualquer rubrica que vá ao encontro dessas declarações”, considera o presidente do maior sindicato da PSP para justificar a colocação do cartaz junto à Presidência da República.

O sindicalista disse que o objetivo é que Marcelo Rebelo de Sousa pressione o Governo para que, durante a discussão na especialidade do Orçamento do Estado, se encontre uma solução para os principais problemas que os polícias enfrentam. Em causa está a atualização salarial e dos suplementos atribuídos aos polícias, nomeadamente subsídio de turno e de pertencerem a uma força de segurança, bem como a atribuição do subsídio de risco.