Foram detetados 14 casos de Covid-19 entre as equipas de Fórmula 1 que no passado fim de semana estiveram em Portimão, no Autódromo Internacional do Algarve, no Grande Prémio de Portugal. A notícia foi avançada pela TVI, que citou uma conferência de imprensa da Proteção Civil algarvia, e confirmada ao Observador pela Autoridade Regional de Saúde do Algarve.

As autoridades regionais acrescentaram ainda que foram registados outros 15 casos positivos na equipa de Sub-23 do Portimonense, antes e depois do jogo na Madeira com o Marítimo. De recordar que o Grande Prémio de Portugal causou polémica pela ausência de distanciamento social nas bancadas — as imagens foram partilhadas milhares de vezes nas redes sociais e os 27.500 espectadores assistiram à corrida em filas consecutivas e pouco separadas.

Fórmula 1. Quem não cumprir distanciamento será expulso do autódromo de Portimão

Por parte da Fórmula 1, ainda não existe qualquer informação ou confirmação oficial. Em declarações ao Observador, a delegade de Saúde do Algarve explicou que os casos detetados são unicamente no staff das equipas, não nos pilotos, e admite a possibilidade de o Grande Prémio de Moto GP de Portugal — agendado para o dia 22 de novembro, também em Portimão — ter um enquadramento diferente.

“Os resultados que vieram foram das equipas técnicas, das equipas dos vários apoios que este espetáculo exige. São casos independentes entre si, de nacionalidades diferentes, de equipas diferentes, que foram surgindo ao longo do acontecimento. Os primeiros casos foram logo no dia 20 [de outubro], de uma pessoa que já cá estava há uns dias. São casos dispersos, não há casos de transmissão entre eles (…) Neste momento não temos conhecimento de casos entre pessoas que estavam na assistência. Moto GP? O parecer é definido pela DGS com o contributo da nossa parte [ARS Algarve] em termos logísticos e operacionais. Com certeza, que à luz da evolução epidemiológica, será ajustada essa resposta. Vamos ver como o país evolui, como a região evolui e qual o impacto da Fórmula 1, que só será conhecido daqui a uma semana”, indicou Ana Cristina Guerreiro.

[Ouça aqui as declarações da delegada de Saúde do Algarve ao Observador:]

Casos na F1. “Impacto só se poderá conhecer daqui a uma semana”

Depois do Grande Prémio, em que Lewis Hamilton conquistou a 92.ª vitória da carreira e se tornou o piloto mais vitorioso da história da Fórmula 1, o balanço do administrador do Autódromo foi positivo “Correu muito bem. Pilotos, equipas e FIA elogiaram a prova. A parte do público, não sendo perfeita, porque se tratou do primeiro evento desta dimensão em Portugal em tempo de pandemia, também foi boa. As pessoas, na generalidade, foram corretas, todas de máscara nas bancadas, com distanciamento entre si”, disse Paulo Pinheiro.

Os três problemas de um sábado que foi uma lição para domingo: o trânsito, um azar na pista e a ausência do distanciamento necessário

“Quando estamos a avaliar um evento com esta dimensão, só me falam do público… E a verdade é que, no geral, o comportamento foi correto. Não podemos fazer avaliações pelas imagens que apareceram nas redes sociais. Se são de lado, parece que as pessoas estão aglomeradas, quando existe espaço entre elas (…) Quando a DGS definiu o limite máximo de 27.500 pessoas, já tínhamos vendido os bilhetes e algumas bancadas tinham mais do que o permitido, então decidimos recolocar algumas na bancada central para cumprir as regras”, acrescentou o administrador, que reconheceu que estiveram em Portimão “mais 150 ou 200 do que o definido pela DGS”.