O presidente da Câmara de Caminha, no distrito de Viana do Castelo, considerou que o confinamento parcial anunciado pelo primeiro-ministro para 121 concelhos do país “ajusta-se” à atual situação epidemiológica da Covid-19.

“As medidas anunciadas pelo primeiro-ministro são equilibradas e ajustadas ao momento que vivemos. O número de infeções, no mês de outubro, no concelho de Caminha foi duas vezes superior ao número acumulado de infetados de março a setembro. Faz, por isso, sentido a aplicação das novas regras a Caminha”, afirmou à agência Lusa o autarca Miguel Alves.

O socialista adiantou que “antecipando” a decisão do Governo, “agendou para segunda-feira uma reunião extraordinária da comissão municipal de proteção civil”.

“Vamos agilizar a aplicação das medidas agora anunciadas e avaliar a necessidade de aplicar outras, mais restritivas, no âmbito das competências municipais”, acrescentou Miguel Alves.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Dos dez concelhos do distrito de Viana do Castelo, seis integram a lista nacional de 121 abrangidos, a partir de quarta-feira, pelo dever cívico de recolhimento domiciliário, novos horários nos estabelecimentos e teletrabalho obrigatório, salvo “oposição fundamentada” pelo trabalhador, devido à Covid-19.

Além de Caminha, a medida apresentada pelo primeiro-ministro, após um Conselho de Ministros extraordinário que decidiu novas medidas restritivas para controlar o aumento de casos de covid-19 no país, abrange os concelhos de Viana do Castelo, Valença, Ponte de Lima, Paredes de Coura e Vila Nova de Cerveira.

As novas medidas aplicam-se em concelhos com mais de 240 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.