O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras não detetou em Portugal situações de tráfico de pessoas durante a operação policial europeia que terminou com a detenção de 388 pessoas e a identificação de 249 potenciais vítimas.

Em comunicado, o SEF adianta que entre os dias 5 e 11 de outubro, foram controladas 2167 pessoas, dos quais 216 menores, no aeroporto de Lisboa, em voos provenientes de países previamente identificados como origens de risco e que “não foram sinalizadas situações de tráfico de pessoas”. As conclusões da ação policial contra o tráfico de pessoas, nomeadamente menores, foram esta quarta-feira divulgadas pela Europol que, além dos detidos, confirmou que das 249 potenciais vítimas identificadas, 61 eram crianças, faltando ainda determinar a idade de 107 delas. A Europol não especificava na sua nota os países nos quais foram detidas as pessoas nem encontradas as vítimas, dizendo apenas a operação tinha ocorrido em 12 países, entre os quais Portugal.

Esta ação conjunta, apoiada pela Frontex – Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira, decorreu em simultâneo em Portugal, Áustria, Bélgica, Croácia, Chipre, Alemanha, Lituânia, Roménia, Eslovénia, Espanha, Holanda e Reino Unido. Segundo a Europol, o tráfico de crianças “continua a ser um crime pouco denunciado, e que “dentro da União Europeia os menores são, na sua maioria, vítimas de tráfico por parte de familiares”.