Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária realizou esta segunda-feira buscas no Estádio da Luz e em Ponta Delgada, nas sedes das SAD do Benfica e do Santa Clara, num processo que envolve negócios por três jogadores líbios que passaram por Portugal mas também suspeitas de corrupção no caso Mala Ciao, segundo avançou a Sábado e confirmou o Ministério Público. A TVI adianta que Luís Filipe Vieira é um dos principais visados da operação, tal como Paulo Gonçalves, ex-responsável jurídico dos encarnados que deixou a sociedade depois da acusação no processo e-toupeira mas que continuou a fazer alguns negócios com o clube. A equipa de inspetores chegou ao recinto dos encarnados pouco depois das 9h30, acedendo à SAD a essa hora pela porta 18. A informação foi entretanto confirmada pelo clube lisboeta, que antes negara por não haver ninguém nas instalações.

PJ acredita que tem fortes indícios de corrupção desportiva contra o Benfica, avança a TVI

“Ao abrigo do disposto no art.o 86.o, n.o 13, al. b) do Código de Processo Penal, confirma-se a realização, no âmbito de investigações dirigidas pelo Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), de 29 buscas, sendo: oito domiciliárias; uma, a uma fundação; seis, a instalações de três sociedades desportivas;  nove, a outros tipos de sociedade; três, a dois clubes desportivos; e duas, a dois escritórios de advogados. Decorrem em vários locais do país e contam com a participação de magistrados do Ministério Público e dos tribunais de Instrução Criminal, inclusive, o Central e elementos da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária”, confirmou em comunicado o Ministério Público, antes de abordar o âmbito destas operações.

Polícia Judiciária junta alegada viciação de resultados a processo dos vouchers e dos emails

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Nos inquéritos investigam-se factos suscetíveis de integrarem crimes de participação económica em negócio ou recebimento indevido de vantagem, corrupção ativa e passiva no fenómeno desportivo, fraude fiscal qualificada e branqueamento. Estão em causa negócios de diversa natureza, todos relacionados com o futebol profissional e relativos, nomeadamente, a contratos de parceria de cooperação financeiro-desportiva e respetivos aditamentos bem como a acordos de alteração de contrato de parceria. Investigam-se ainda a aquisição dos direitos desportivos e económicos dos jogadores por parte de clubes nacionais de futebol, empréstimos concedidos a um destes clubes e a uma sociedade desportiva por um cidadão de Singapura com interesses em sociedades sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e a utilização das contas do mesmo clube e de outro, para a circulação de dinheiro”, adiantou.

As investigações incidem igualmente sobre o envolvimento de outros tipos de sociedades (algumas ligadas ao setor imobiliário), o pagamento em dinheiro de prémios de jogo, a satisfação de dívidas pessoais de dirigentes, a utilização por estes de valores dos clubes e a omissão declarativa de operações fiscalmente relevantes. As investigações prosseguem sob direção do Ministério Público com a coadjuvação da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária”, concluiu o comunicado do Ministério Público.

Mala Ciao. Cinco respostas sobre o esquema de empréstimo de jogadores que pôs (de novo) o Benfica sob suspeita

Ao final da noite, foi também noticiado pelo Notícias de Coimbra que a Académica foi alvo de buscas durante o dia, também no âmbito do caso Mala Ciao. A publicação refere que os inspetores da PJ foram ver às instalações do clube os contratos de venda de Chiquinho, que entretanto foi vendido ao Moreirense e recomprado pelo Benfica, e de Pedro Nuno, que depois de dois anos de empréstimo ao Tondela rumou a título definitivo ao Moreirense. Os estudantes não deverão ser citados neste processo e colaboram em tudo o que foi pedido pelas autoridades.

Além das buscas na SAD do Benfica e do Santa Clara, existem então quase 30 buscas em curso entre empresas e casas particulares, entre as quais a do advogado Rui Cordeiro, presidente do Santa Clara; a do administrador e diretor desportivo Diogo Boa Alma; e a do empresário Khaled Ali Mesquita Saleh, que representa o principal acionista particular da sociedade do Santa Clara. De acordo com a Sábado, um dos objetivos destas buscas passa por cruzar as contabilidades dos dois clubes para perceber se o fisco português foi defraudado no pagamento de impostos nestes negócios e, em paralelo, se essas operações terão sido um financiamento encapotado dos lisboetas aos açorianos e aos avenses, estando a ser investigados crimes como fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais, falsificação de documento, participação económica em negócio e recebimento indevido de vantagem.

Operação ‘Mala Ciao’:PJ do Porto faz buscas na SAD do Benfica por suspeitas de corrupção

Já a TVI destaca que as buscas procuram recolher a informação para processos que se encontram já na parte final, nomeadamente o processo do ‘Saco azul’, onde existem suspeitas de fuga de 1,8 milhões de euros das contas das águias para serviços informáticos nunca prestados, e o dos e-mails (desencadeado pela divulgação de correio eletrónico de dirigentes encarnados pelo hacker Rui Pinto), que entretanto se juntou a outros como os vouchers e o Mala Ciao num único processo. É por isso que estas diligências visam também outros empresários e intermediários com ligações ao Benfica, que alegadamente terão feito parto do circuito de corrupção desportiva na temporada de 2015/16, quando as águias ganharam o título na última jornada. O canal recorda o encontro em Vila do Conde com o Rio Ave, que pode não ter sido o único: alguns jogadores seriam alegadamente abordados por empresários com promessas de contrato e colocação noutros clubes com condições salariais mais vantajosas.

Benfica desmente ter aliciado jogadores do Aves para ganhar ao FC Porto

Os jogadores em causa são Hamdou Elhouni, extremo contratado pelos encarnados no verão de 2016 que depois foi emprestado a Desp. Chaves e Desp. Aves, estando agora nos tunisinos do Espérance de Tunis após ter sido cedido pela equipa B do Benfica aos avenses; o avançado Muaid Ellafi, que jogou em 2015/16 no Santa Clara e que está hoje no USM Alger; e o médio defensivo Mohamed Al-Gadi, que depois de dois anos no Santa Clara regressou em 2018 ao Al Ahly Tripoli. Ou seja, nenhum dos três atletas em causa está ainda em Portugal.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD confirma a realização de buscas às suas instalações. A Benfica SAD manifesta, como sempre, a sua total disponibilidade para colaborar com as autoridades no esclarecimento das questões suscitadas no âmbito da diligência em curso”, escreveu o clube da Luz numa nota oficial publicada no site oficial dos encarnados. “A Santa Clara Açores, Futebol SAD vem pelo presente esclarecer o seguinte: neste momento decorrem operações de recolha de informação por elementos da equipa de investigação da Polícia Judiciária nas instalações da Santa Clara Açores, Futebol SAD; mais informamos que, desde o primeiro momento, disponibilizamo-nos a fornecer toda a informação requerida, colaborando ativa e serenamente com as demais entidades para o esclarecimento cabal de toda esta situação”, confirmaram os açorianos em comunicado.