A TVI avançou este domingo que a Polícia Judiciária tem fortes indícios de corrupção desportiva contra o Benfica, ainda no âmbito do caso dos vouchers. De acordo com o canal, e segundo a investigação que foi feita, a conta das ofertas a árbitros não se ficava por 35 euros por pessoa como continha o “cupão”, sendo que algumas terão chegado aos 600 euros alargando-se a outras pessoas da intimidade de árbitros, assistentes e observadores.

Caso dos vouchers: Sporting faz queixa do Benfica na UEFA

Recordando que as queixas apresentadas pelo Sporting em 2015, numa altura em que era presidido por Bruno de Carvalho, foram arquivadas pela Federação Portuguesa de Futebol, pela Liga de Clubes e pela UEFA, considerando que essas ofertas também conhecidas como “Kit Eusébio” cumpriam todos os limites definidos e funcionavam como uma mera cortesia, a TVI avança que, de acordo com a investigação feita pela Polícia Judiciária, as bases de avaliação a essas mesmas ofertas são distintas pelo levantamento feito no restaurante em causa.

UEFA considera que vouchers do Benfica não são crime. Recurso do Sporting foi rejeitado

Segundo essa complicação da faturação do restaurante em causa, esses jantares enquadrados em 35 euros chegavam aos 500 e 600 euros, incluindo benefício de terceiros (neste caso, pessoas próximas dos árbitros). Ou seja, e contas feitas, o canal relata que esses limites definidos como “hospitalidade” pela UEFA, e que eram entregues a aos quarto árbitros, aos dois delegados da Liga e ao observador em cada um dos jogos que envolviam o clube encarnado no futebol, foram muito superados, com despesas reais acima do dobro do consagrado.

Casos vouchers, emails, Lex e e-toupeira: o que pode acontecer ao Benfica e aos seus dirigentes

Ainda assim, não existe qualquer acusação pública a esse propósito na medida em que o processo foi entretanto anexado ao caso dos emails, que se encontra a ser investigado pela Polícia Judiciária. Segundo a TVI, o facto de envolverem os mesmos protagonistas pode consolidar as suspeitas de corrupção desportiva, embora seja certo que essa correspondência eletrónica conseguida e divulgada de forma ilegal não possa ser utilizada como prova, o que fez com que a investigação tenha tentado outros caminhos para chega ao mesmo fim.

Polícia Judiciária junta alegada viciação de resultados a processo dos vouchers e dos emails

“Os factos sob investigação respeitam à suspeita da atuação de responsáveis do SLB-SAD, que, em conluio com personalidades do mundo do futebol e da arbitragem, procurarão exercer pressão e influência junto de responsáveis da arbitragem e outras estruturas de decisão do futebol nacional, tendo em vista influir na nomeação e classificação de árbitros nesse âmbito”, explicava a fundamentação da juíza de instrução criminal em relação aos mandados de busca à sociedade dos encarnados, em outubro de 2017.

Caso dos vouchers. Vieira terá sabido o que árbitros disseram antes de depor

Ainda antes da peça, o Benfica já tinha reagido destacando que “não foi notificado de nenhuma ‘conclusão do Ministério Público’ relativamente a qualquer inquérito judicial que esteja em curso”. “Aliás, não deixa de ser curioso e significativo o timing desta peça. Aquele inquérito está, como é sabido, sujeito a segredo de justiça, pelo que o SL Benfica reservará qualquer atuação para o momento e local próprios”, asseguraram os encarnados.

“Não há um dado concreto sobre algo de ilegal”, garante diretor de comunicação do Benfica

“Mais aproveita o SL Benfica para relembrar que no designado caso dos vouchers, a que parece aludir a TVI, todas as decisões processuais de instâncias nacionais e internacionais até agora conhecidas concluíram pelo arquivamento do processo”, acrescentou a nota publicada pelas águias.