Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

André Ventura foi constituído arguido por “discriminação por assédio em razão da origem étnica” na sequência de uma publicação que fez sobre a comunidade cigana, onde dizia que 90% daquela comunidade vivia de “outras coisas” que não o trabalho.

A publicação remonta ao mês de agosto, onde o presidente do Chega recorria a gráficos estatísticos, sem citar a fonte desses dados nem a que cada da população diziam respeito, para alegadamente mostrar o elevado nível de dependência do rendimento social de inserção. Devido ao comentário que acompanha o gráfico, depreende-se que Ventura está a referir-se à comunidade cigana, embora nada nos gráficos aponte para isso.

De acordo com o Correio da Manhã, a denúncia foi feita ao Alto Comissariado para as Migrações, que abriu o processo contra André Ventura. O deputado e candidato presidencial arrisca uma multa, diz o mesmo jornal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O argumento do Alto Comissariado para as Migrações é que o deputado publicou quadros estatísticos “retirados do seu contexto”, inteiramente com o “objetivo de atingir as comunidades ciganas”. Uma conduta “discriminatória e hostil” e um discurso “ofensivo”, diz ainda, citado pelo Correio da Manhã.

Ao mesmo jornal, André Ventura, que já tem mais processos com o mesmo teor, repete o que tem dito: “Continua a perseguição do Estado a um líder da oposição e quem pensa diferente”.