Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho tornou a quebrar o silêncio esta sexta-feira, acabando por deixar várias críticas ao atual Governo em temas tão díspares como a TAP, a morte de Ihor Homenyuk ou aquilo que diz ser a “passividade sem explicação” perante a crise de segurança no norte de Moçambique.

Pedro Passos Coelho falou na conferência “Globalização em Português: Revoluções e Continuidades Africanas”, evento que serviu para comemorar os 150 anos do nascimento do empresário Alfredo da Silva, fundador do Grupo CUF. Porém, para o antigo primeiro-ministro, serviu para deixar várias críticas ao atual Governo — e para tal foi a vários temas da atualidade.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.