O Governo vai financiar os custos da fatura da eletricidade que a maioria das famílias teve durante os primeiros 15 dias de janeiro, por causa da onda de extremo frio. A medida, que representa 10% da fatura total, aplica-se a potências contratadas até, e incluindo, 6,9 kVA, o que abrange cerca de 5,2 milhões de consumidores.

O regime de apoio extraordinário ao preço de energia elétrica que foi aprovado para responder à nova fase de confinamento geral prevê descontos de 10% nas faturas das cerca de 800 mil famílias que estão na tarifa social, devido aos rendimentos mais baixos e que já beneficiam de um desconto da ordem dos 33% face aos preços normais.

Uma nota do Ministério do Ambiente e Ação Climática explica no entanto que o financiamento de 10% será aplicado não há totalidade da fatura, mas a uma quantidade específica de consumo em função do nível de potência contratada, isto para não provocar um consumo excessivo de eletricidade. Na mesma nota é referido que no passado confinamento de março/abril, as famílias aumentaram, em média, em 10% o seu consumo doméstico. Igual acréscimo percentual foi verificado na semana passada em consequência do frio extremo.

Os custos da medida, que não são identificados nesta nota, são financiados pelo Fundo Ambiental e o desconto será aplicado diretamente pelos comercializadores.