Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Cento e vinte e seis funcionários da Segurança Social de Setúbal receberam a vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 após terem sido adicionados a uma lista que deveria ser exclusiva para residentes e trabalhadores de lares de idosos e instituições de cuidados continuados, noticiou esta quinata-feira a SIC Notícias.

Uma dos 126 vacinados foi a diretora do Centro Distrital da Segurança Social de Setúbal, a socialista Natividade Coelho. A lista foi redigida pela própria instituição e inclui outros diretores de unidades e diretores de núcleos da Segurança Social.

O documento chegou à Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo pelas mãos do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Arrábida. A inclusão dos 126 nomes terá causado estranheza às autoridades de saúde, que chegaram a questionar a Segurança Social sobre o caso, mas a vacinação avançou à mesma, descreve a SIC Notícias.

Os 23 frascos supostamente destinados aos residentes e trabalhadores do lar acabaram por ser administrados aos funcionários da Segurança Social na sexta-feira passada, 22 de janeiro, no INATEL. A ARS de Lisboa e Vale do Tejo confirma a vacinação, mas recusa ter tido um papel na escolha das pessoas que receberam as vacinas:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Aos Agrupamentos de Centros de Saúde compete a administração das vacinas às pessoas identificadas por cada instituição”, explica.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse que a ministra Ana Mendes Godinho não tinha conhecimento do caso. Após saber dele através da SIC Notícias, instaurou um inquérito interno urgente ao Instituto de Segurança Social.

Natividade Coelho recusou comentar o caso e a Segurança Social de Setúbal remeteu explicações para o ACES da Arrábida, uma vez que “todo o processo de vacinação tem sido conduzido e decidido” por ele. O centro distrital também afirma que simplesmente apontou “os trabalhadores de ação social que exercem função que os colocam em situação de risco de exposição ao vírus, nomeadamente através da intervenção em lares”.