Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O novo CEO da Aston Martin, Tobias Moers, era até há bem pouco tempo o responsável máximo pela AMG, a divisão de desportivos da Mercedes. Tem os desportivos no sangue, pelo que motores potentes e chassis eficientes correm-lhe nas veias. Mas agora, aos comandos do construtor britânico, vai ter de lidar com um nível ainda mais elevado de tecnologia e de sofisticação.

Num vídeo publicado pelo construtor, Tobias Moers começa por pedir desculpa aos clientes que já adquiriram todas as 150 unidades do Valkyrie, por 2,5 milhões de euros (antes de impostos), mais os 25 AMR Pro destinados à competição, que obrigam a um investimento adicional de 500.000€. De seguida, o CEO passa aos elogios do exuberante modelo com 1176 cv, em que 1014 cv são extraídos do imponente 6.5 V12 atmosférico construído pela Cosworth, capaz de girar até às 11.000 rpm, reforçados pelos 162 cv do motor eléctrico do sistema Kers, similar aos que equipam os F1 e produzido pela Rimac.

4 fotos

Habituado a conduzir os melhores Mercedes-AMG, Moers revela-se impressionado não só pelos 1176 cv, mas igualmente por o Valkyrie não pesar mais do que 1030 kg, o que lhe confere uma relação peso/potência impressionante, em que cada cavalo não chega a “puxar” por 1 kg. Como se isso não bastasse, cortesia do mago da F1 Adrian Newey, o mais desportivo dos Aston Martin usufrui de um sistema de suspensão activa associado a um sistema aerodinâmico que se adapta às situações e à velocidade e que, pela primeira vez, se pode ver em funcionamento nas imagens.

Admitindo que ainda há pequenos pormenores para resolver, o CEO confirma que as primeiras unidades do Valkyrie vão ser entregues aos clientes em meados do ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR