Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Já se sabia que a Volkswagen concebeu uma gama completa do ID.3, com potências para todos os gostos e preços para todas as bolsas, que no extremo superior iria disponibilizar uma versão com a bateria maior, com uma capacidade útil de 77 kWh e dois motores, para na versão mais acessível surgir apenas com um motor menos possante e uma bateria com 45 kWh (capacidade útil). No meio, onde habitualmente está a virtude, a VW oferece um acumulador com 58 kWh e um motor com 204 cv, exactamente o que até aqui foi entregue aos condutores portugueses.

O ID.3 é um eléctrico moderno, concebido de raiz e com base numa plataforma específica para modelos alimentados por bateria, o que obriga a criar fábricas dedicadas para a sua produção, solução dispendiosa que, em troca, garante uma maior eficiência energética, ou seja, mais autonomia para a mesma bateria. Mas quanto maior é a bateria mais elevado é o preço, uma vez que o acumulador é a peça mais cara de um veículo como este, além de ser a mais pesada.

Depois de comercializar vários níveis de equipamento, sempre com a bateria de 58 kWh (62 kWh brutos), uma autonomia em torno dos 425 km e um motor de 204 cv, o que lhe garante preços a partir de 38 mil euros, a VW lançou uma versão ligeiramente mais barata do ID.3, que se posiciona por essa Europa fora por cerca de 2.000€ menos, tudo porque mantém a mesma bateria, mas limita o motor a 145 cv.

Agora a VW deu mais um salto para baixo, em termos de preço, para alargar a base de clientes que podem ter acesso ao seu novo eléctrico. O motor, que continua a estar montado atrás, sobe para 150 cv, mas a bateria desce para 45 kWh (48 brutos), o que faz a autonomia cair para 348 km. A vantagem é que o preço baixa em sintonia, sendo o modelo proposto em Espanha por 32.240€. Se compensarmos a diferença entre o valor do IVA em Espanha (20%) e Portugal (23%), isto aponta para um preço final a partir dos 33 mil euros entre nós.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de este ID.3 baixo de gama já estar disponível na maioria dos países europeus, a começar por Espanha, o eléctrico mais barato ainda não é proposto no nosso país. Segundo o que Observador apurou, é provável que surjam novidades dentro de um mês, o que aproximará o preço do ID.3 do valor praticado pelos seus rivais Nissan Leaf e Renault Zoe, o primeiro a ser proposto por 35.400€ na versão mais acessível (segundo o site da marca, o Leaf Accenta 40 kWh), com uma autonomia de 270 km, enquanto o eléctrico francês é transaccionado por 32.740€, na versão Zoe ZE 40 kWh, com motor de 110 cv e uma autonomia de 300 km.

O lançamento da versão mais acessível por parte da VW faz sentido, uma vez que a fábrica de Zwickau, onde todos os ID.3 e ID.4 são produzidos, já atingiu um ritmo de produção diário de 800 unidades, o que aponta para uma capacidade de montagem de 180.000 veículos por ano, valor que vai continuar a aumentar à medida que surgem novos modelos.

Resta conhecer qual o preço que a SIVA conseguirá garantir para o nosso país do ID.3 mais barato, sabendo-se que em Portugal mandam os austríacos da família Porsche e em Espanha é a própria Volkswagen AG que controla directamente o mercado.