O Novo Banco confirma a venda de uma carteira de créditos não produtivos no valor de 216,3 milhões de euros. Esta operação foi o resultado de um processo de venda competitivo e, segundo a instituição, deverá ter um impacto direto neutral a marginalmente positivo na demonstração de resultados e no capital em 2021.

A transação, chamada de Projeto Wilkinson, incidiu sobre créditos e ativos relacionados (garantias) com o valor nominal de 216,3 milhões de euros. No entanto, e ao contrário de outras vendas realizadas no passado, estes ativos não estavam protegidos pelo mecanismo de capital contingente. Quer isto dizer que, eventuais prejuízos gerados pela alienação não podem ser contabilizados nos pedidos de capital do Novo Banco ao Fundo de Resolução.

Outras vendas de créditos em incumprimento (non performing loans) feitas no passado geraram prejuízos que tiveram impacto nos pedidos de capital feitos pelo Novo Banco. Essas operações foram e ainda estão a ser auditadas de forma independente, mas irão também ser escrutinadas na comissão parlamentar de inquérito à gestão dos ativos do Novo Banco cujas audições arrancam na quarta-feira.

Com a subida de tom da polémica sobre as vendas a desconto pela instituição, e as perdas que resultavam em pedidos de capital, o Novo Banco foi pressionado pelo Fundo de Resolução a não realizar a alienação de mais ativos problemáticos na conjuntura de recessão. No entanto, a instituição acabou por avançar com créditos que não estão sob a tutela do Fundo de Resolução.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Novo Banco com “luz vermelha” na venda de “calotes”. António Ramalho insiste em vender este ano

Ainda não se sabe qual o valor da chamada de capital deste ano, relativa aos resultados de 2020 que não foram divulgados.

O comprador desta carteira foi a Burlington Loan Management, uma sociedade afiliada da Davidson Kempner European Partners. O negócio, cuja concretização está sujeita a ajustamentos de perímetro, “representa mais um marco relevante no processo de desinvestimento de ativos não produtivos (NPA – non-performing assets), permitindo ao Novo Banco prosseguir a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico”.