Os dois pastores alemães do Presidente dos Estados Unidos da América e da primeira-dama voltaram para Wilmington, Delaware, depois de o mais jovem dos animais ter mostrado um comportamento agressivo com um oficial de segurança da Casa Branca.

O oficial sofreu um “incidente com uma mordida”, mas não se sabe detalhes sobre o que aconteceu. Foi o suficiente para os dois animais terem sido afastados da Casa Branca. Major tem três anos e foi adotado por Biden em novembro de 2018, em Delaware. O cão já tinha demonstrado um comportamento instável, tendo até provocado ferimentos a elementos da equipa de segurança, conta a CNN.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse ao apresentador do programa “Morning Joe”  que não tinha “qualquer detalhe” ou mais informações sobre os cães, segundo a Usa Today Entertainment.

Eles são membros da família. Vão frequentemente para Delaware quando a primeira-dama está a viajar e estão a adaptar-se à sua nova casa. Não tenho mais nenhuma informação, só sei que são membros queridos da família e, claro, da família da Casa Branca também”, disse Jen Psaki.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Champ, o mais velho dos dois animais, tem 13 anos e por isso é mais calmo. Joe Biden disse que adotou Major para serem companheiros um do outro, de forma a manter o cão sénior mais ativo.

Os animais mudaram-se para a Casa Branca em janeiro, menos de uma semana após a posse do Presidente. Não se sabe ainda se voltarão à residência oficial.