O ministro da Cultura, Turismo e Ambiente de Angola, Jomo Fortunato, mostrou-se esta segunda-feira “profundamente consternado” com a morte do cantor, compositor e guitarrista Fernando Quental, vítima de doença, no domingo, em Lisboa.

Fernando Quental foi autor de vários temas que marcaram a contemporaneidade musical angolana dos anos 1990, destacando-se, entre outros, “Quando fui à Benguela”, “Kandengue” e “Som da banda”, segundo uma nota de condolências do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente (MCTA).

Natural da província do Cunene, o cantor, também conhecido como Nando Quental começou a sua carreira musical na Huíla, no agrupamento “Shallon”.

Em 1976 partiu para Portugal e fundou, em 1979, o grupo “Kizomba”, tendo integrado outros agrupamentos, com destaque para o “África Tentação” e “Kanawa”, o último com o cantor e compositor, Eduardo Paim.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Fernando Quental participou ainda nos projetos “Sem Kigila” e “Pikante”, e gravou, em 1999, o seu álbum a solo “Kassula lami”.

Nesta hora de dor e tristeza, em seu nome próprio e de todos os funcionários e colaboradores do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, Jomo Fortunato apresenta à família enlutada os seus mais profundos sentimentos de pesar”, lê-se na nota do MCTA.