Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ricardo Baptista Leite, deputado e vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, vai enfrentar Basílio Horta na corrida à Câmara Municipal de Sintra. O processo ficou fechado esta terça-feira e é muito provável que o nome de Baptista Leite seja apresentado ainda esta tarde, altura em que Rui Rio dará uma conferência de imprensa, no Porto, para apresentar mais uma leva de candidatos autárquicos.

A hipótese já tinha sido avançada pelo Diário de Notícias e o Observador sabe que o dossiê, que conheceu muitos avanços e recuos, foi dado como concluído ao final desta manhã. O infecciologista abraça assim este desafio autárquico depois de muito se especular sobre uma eventual candidatura à Câmara Municipal de Lisboa. A escolha de Rui Rio acabou por recair sobre Carlos Moedas, apesar de Baptista Leite ter sido sempre encarado como uma hipótese sólida para enfrentar Fernando Medina.

Baptista Leite, uma das figuras do partido neste ano de combate pandémico, terá agora a espinhosa missão de unir o aparelho social-democrata em Sintra. O plano inicial da direção de Rui Rio era lançar Pedro Santana Lopes para a corrida e escolher Marco Almeida como número dois, mas tudo acabou por ruir: os sinais de insatisfação dados por Marco Almeida e as ambições pessoais de Santana Lopes — que, tudo indica, será mesmo candidato independente à Câmara da Figueira — inviabilizaram esse plano.

Restava, por isso, outra dúvida: seria Marco Almeida, que se reaproximou do PSD precisamente durante a liderança de Rui Rio, o escolhido face à indisponibilidade de Santana Lopes? O atual vereador ainda alimentou expectativas nesse sentido, mas ficou fora da solução e dificilmente estará ao lado de Baptista Leite nesta corrida autárquica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para já, Marco Almeida ficará em silêncio, mas é provável que se pronuncie publicamente sobre a escolha da direção do partido ainda na quarta-feira. Resta saber se para partir de vez a corda ou se para enterrar o machado de guerra.

A concelhia de Sintra, há muito em rota de colisão com Marco Almeida e insatisfeita com a solução “Santana Lopes”, também teve uma palavra a dizer ainda lançou o nome de António Pinto Pereira, professor no ISCSP, como candidato à Câmara Municipal de Sintra. A sugestão caiu em saco roto e a escolha da direção de Rui Rio acabou por ser outra.