Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As autoridades australianas confirmaram mais cinco casos de coágulos sanguíneos com possível relação com a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. No total, já são 11 os casos identificados na Austrália, de acordo com a Australian Broadcasting Corporation (ABC).

Os cinco novos casos foram detetados em duas mulheres (com 51 e 64 anos) e em três homens (com 66, 70 e 74 anos). Dois dos homens estão hospitalizados — o de 66 anos está internado em Townsville e o de 70 anos está em condições estável.

De acordo com a SBS News, o doente com 66 anos recebeu a primeira dose da vacina no dia 30 de março, tendo desenvolvido dores abdominais, acabando por ser internado. Quanto ao homem de 70 anos, uma semana depois de ser vacinado apresentava sintomas de coágulos sanguíneos, tendo sido levado para um hospital no estado da Tasmânia, por precaução.

Afinal a vacina da AstraZeneca provoca mesmo coágulos sanguíneos. Mas podemos ou não confiar nela?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No início de abril, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, anunciou que a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 deixou de estar recomendada para doentes com menos de 50 anos, sendo considerada segura para as pessoas com idade superior a essa. Desde segunda-feira, todos os australianos com mais de 50 anos podem receber a vacina.

Os cinco casos de coágulos sanguíneos, que podem provocar trombos incomuns, foram reportados em doentes com mais de 50 anos, o que levantou algumas preocupações. No entanto, a maioria dos especialistas considera que os benefícios da vacina superam os riscos.

Apesar do pequeno número de reações adversas à vacina da AstraZeneca contra a Covid-19, incluindo reações raras mas graves, para a grande maioria das pessoas a vacina é perfeitamente segura”, sublinha Archie Clements, professor de Epidemiologia e Doenças Infecciosas da Universidade de Curtin, na Austrália, citado pelo Australian Science Media Centre.

Coágulos. A reação às vacinas já tem nome (chama-se VIPIT) e é menos provável do que ser atingido por um raio

“São expectáveis mais casos de tromboses e de síndrome de trombocitopenia em pessoas com mais de 50 anos, uma vez que esta é a faixa etária que está agora a receber a vacina”, sublinha Katie Flanagan, presidente da Sociedade Australiana para as Doenças Infeciosas. “Apesar disso, os benefícios de prevenir a Covid-19 através da vacinação ainda são considerados superiores ao risco nesta faixa etária”, acrescentou.