Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A F1 não é considerada a disciplina rainha do desporto automóvel de ânimo leve, devendo este estatuto ao facto de nenhum outro carro de competição conseguir ser tão rápido a devorar qualquer tipo de pista. Daí que estes fórmulas sejam tão venerados e até procurados, ainda que seja difícil, para não dizer impossível, ter acesso a um modelo recente, sobretudo com motor, pelos segredos que encerra. Isto explica que a Sotheby’s acredite que surjam candidatos a arrematar por 7 milhões de dólares um McLaren de 2010.

A valorização de um F1 depende muito do nível de sucessos que conquistou, de quem o conduziu e, sobretudo, da equipa que o construiu. O que vai a leilão é o chassi nº1 do McLaren MP4-25A, equipado com um motor V8 da Mercedes com 2,4 litros e que foi conduzido por Lewis Hamilton, o então jovem piloto inglês que, à época, envergava apenas um dos sete títulos de campeão do mundo que hoje possui, precisamente o que alcançou em 2008 com um carro similar.

Este McLaren MP4 deixou de ser propriedade do construtor britânico há já alguns anos, estando a ser leiloado por um privado. De acordo com a Sotheby’s, deverá mudar de mãos por um valor entre 5 e 7 milhões de dólares, ou seja, uma janela que poderá atingir 5,7 milhões de euros.

Em 2010, Hamilton e este McLaren foram apenas 4º no campeonato do mundo, o que se explica por se tratar do período entre 2010 e 2013, os quatro anos em que os Red Bull com motor Renault eram os melhores carros, com esta equipa austríaca a ser 1ª e 3ª no Mundial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR