Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em atualização

Um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter atingiu este domingo o centro do Alasca, nos Estados Unidos da América (manhã de segunda-feira, em Portugal), com epicentro a 169 quilómetros da cidade de Anchorage. Não há registo de feridos nem de mortes, por agora, segundo a agência de notícias de Reuters.

“Um estrondo longo seguido de um abalo muito forte que abanou a casa e atirou algumas coisas das prateleiras para o chão”, escreveu Mark Westman residente em Talkeetna (a 96,5 quilómetrso do epicentro), citado pelo Anchorage Daily News. “Depois, mais estrondo. Foi longo. Não houve danos, mas o grande abalo pelo meio definitivamente mexeu com os nervos.”

O sismo foi registado às 22h59 de domingo, hora local, (7h59 de segunda-feira, de Lisboa) a cerca de 88,5 quilómetros de Sutton, a cidade mais próxima e a nordeste de Anchorage. Depois deste abalo, o de maior magnitude dos últimos dias, foram sentidas mais de 50 réplicas até às 11h48 (hora de Lisboa), na área de Sutton (mais ou menos à mesma distância).

O sismo de magnitude 6,1 aconteceu a uma profundidade inferior a 45 quilómetros e algumas das réplicas foram originadas a cerca de 35 quilómetros da superfície.

Sismos sentidos na última semana no Alaska (de 25 a 31 de maio), com o tamanho a indicar a magnitude do sismo e a cor a data (a amarelo há mais de 24 horas, a vermelho nas últimas 24 horas, a azul o sismo de 6,1). No mapa estão ainda indicadas as falhas geológicas (traços a preto), os vulcões (triângulos) e zonas de rutura após os maiores sismos do Alaska (mancha amarela) — Alaska Earthquake Center

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No último mês, o Alasca e as ilhas Aleutas tiveram um sismo de magnitude 6,1 (o que agora se reporta), um de magnitude 5,0, 11 de magnitudes compreendidas entre 4,0 e 5,0, 68 de magnitudes entre 3,0 e 4,0, 338 abalos de magnitudes entre 2,0 e 3,0 e 1.438 terremotos abaixo da magnitude 2,0, que normalmente não são sentidos pelas pessoas, reporta o site Volcano Discovery.

Só em 2021, já foram registado no Alaska 16.826 e, no ano de 2020, o segundo e terceiro sismo de maior intensidade em todo o mundo aconteceram no Alaska.

Desde 1900, registaram-se em média, no Alaska, um grande sismo com magnitude igual ou superior a 8 a cada 13 anos, um de magnitude entre 7 e 8 todos os anos e seis de magnitude entre 6 e 7 todos os anos.

O Alaska regista mais sismos do que qualquer outra região nos Estados Unidos — sete dos 10 maiores sismos dos EUA aconteceram ali — e é das áreas com mais atividade sísmica em todo o mundo (11% dos sismos registados em todo o mundo).

O segundo maior sismo alguma vez registado aconteceu no Alaska, a 27 de março de 1964, e atingiu a magnitude de 9,2. Aliás, três dos maiores sismos alguma vez registados em todo o mundo aconteceram no Alaska. Também aqui foi registado o maior sismo da América do Norte, com origem em terra, nos últimos 150 anos: no dia 3 de novembro de 2002, com uma magnitude de 7,9. Entre os grandes sismos mais recentes, destaca-se o sismo que atingiu o norte de Anchorage, a 30 de novembro de 2018, com uma magnitude de 7,1.

Última atualização às 13h00