Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Fonseca trocou o movimento independente “Porto, O Nosso Movimento” pelo Chega. Depois de ter sido eleito por duas vezes presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto pelo movimento de Rui Moreira, é agora adversário do próprio presidente da Câmara Municipal do Porto, ao candidatar-se à segunda mais importante autarquia do país.

Durante o percurso ao lado do movimento independente nem sempre tudo correu bem: houve uma retirada de confiança política por parte de Rui Moreira ainda no primeiro mandato, um membro do executivo a sair em desacordo com o autarca (alvo de muitas críticas) e uma moção de censura aprovada.

O ponto final na relação aconteceu há alguns dias, quando António Fonseca confirmou que aceitou o convite para ser candidato do Chega à Câmara Municipal do Porto, deixando para trás o movimento encabeçado por Rui Moreira e qualquer possibilidade de dar continuidade ao trabalho feito até aqui.

A relação de António Fonseca e Rui Moreira começou muito antes da política, na altura devido aos transportes internacionais, e continuou quando Moreira era presidente da Associação Comercial do Porto e Fonseca já liderava a Associação de Bares da Zona Histórica do Porto. “Rui Moreira chamava-lhe o ‘Chico Fininho’, era o ‘gajo’ típico da Ribeira”, conta ao Observador quem acompanhou de perto a relação dos dois.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.