O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos anunciou esta terça-feira uma revisão face ao uso de máscaras por parte de pessoas totalmente imunizadas na sequência do aumento de casos de Covid-19 e do impacto da variante Delta.

O CDC voltou atrás nas diretrizes de maio e recomenda agora que os norte-americanos completamente imunizados usem máscaras em espaços fechados em algumas partes dos Estados Unidos da América. Em causa estão os números crescentes de casos em estados como a Flórida e o Missouri.

De acordo com a informação citada pela Associated Press, a mesma entidade recomenda que todos os professores, membros do staff, estudantes ou pessoas que visitem as escolas usem máscaras nos espaços fechados, independentemente de estarem ou não vacinados — a recomendação tem em conta nova informação sobre a transmissibilidade da variante delta até entre pessoas vacinadas (as escolas devem retornar o ensino presencial no outono).

Os Estados Unidos estão a registar, em média, mais de 57.000 casos por dia e 24.000 hospitalizações por Covid-19. Segundo informação recolhida recentemente tendo por base 100 amostras, com a variante delta a presença do vírus em pessoas vacinadas e infetadas é “indistinguível” face a pessoas não vacinadas, disse Rochelle Walensky, diretora do CDC. As conclusões ainda não foram publicadas, mas Walensky diz serem “preocupantes o suficiente para que sintamos que devemos agir”, lembrando que as pessoas vacinadas podem espalhar o vírus.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A nova orientação contraria o que antes tinha sido recomendado: em abril, à medida que as taxas de vacinação aumentavam, o CDC aligeirou as diretrizes sobre o uso de máscaras ao ar livre — com os americanos totalmente inoculados a não precisarem de cobrir o rosto, com a exceção a serem as grandes multidões — e, em maio, as pessoas com o esquema vacinal completo passaram a não ter de usar máscaras em multidões e na maior parte dos espaços fechados (à exceção de transportes públicos, hospitais ou prisões).

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse numa entrevista coletiva que mudar a orientação relativamente às máscaras foi crucial para “combater um vírus em constante evolução” e que o governo de Joe Biden apoia o esforço.