As elétricas a atuar no mercado liberalizado já iniciaram o processo de aumento de preços nas novas ofertas, face ao que praticavam em janeiro. Ainda há várias ofertas competitivas face à tarifa reguladas, mas são menos do que eram no início do ano. Esta comparação reflete já o impacto do aumento das tarifas reguladas aplicado a 1 de julho, em resposta à subida acentuada dos preços no mercado grossista de energia elétrica que se têm verificado este ano.

O mais recente retrato feito pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) às ofertas comerciais disponíveis em julho — para quem quiser trocar de fornecedor e negociar novo contrato — mostra que há 10 elétricas a apresentar preços mais baixos do que os praticados na tarifa regulada para agregados de duas pessoas. Em janeiro, o número de ofertas inferiores à tarifa para estes consumidores era de 12.

A mesma tendência verifica-se nas ofertas disponíveis para consumidores que representem um agregado de quatro pessoas e de seis pessoas (casal com quatro filhos). No primeiro caso, as ofertas mais baixas do que a tarifa regulada eram 14 em janeiro e agora baixaram para 11. No segundo caso, passaram de 16 no início do ano para 11 em julho.

Eletricidade vai subir só para alguns? Ou a escalada no mercado vai chegar a todos?

Esta evolução já era esperada dada a situação de pressão contínua sobre os preços da eletricidade no mercado ibérico. E o aumento extraordinário decidido pela ERSE de 3% permitiu aos comercializadores passarem uma parte da subida dos custos da compra da eletricidade para os novos clientes, mantendo ainda assim tarifários competitivos face à tarifa regulada que atualmente se aplica a menos de um milhão de consumidores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No primeiro escalão de consumo, Iberdrola, Endesa e Galp estão entre as empresas que reviram em alta o preço das novas ofertas, mas que ainda assim garantem poupanças face à tarifa regulada. Já a EDP Comercial e a Goldenergy mantiveram o tarifários face a janeiro e passaram a ser as elétricas com a oferta mais baixa para esta tipologia de consumidores.

De acordo com a ERSE, as 10 ofertas mais inferiores à tarifa disponíveis em julho permitem uma poupança entre 1% e 11% na fatura mensal face à tarifa regulada nos agregados com duas pessoas. Para os agregados com quatro pessoas, a poupança mensal pode chegar aos 12%, e para famílias com seis pessoas vai até aos 13%. A Goldenergy e a EDP Comercial apresentam as ofertas mais baixas também nos escalões de maior consumo.

As ofertas analisadas pela ERSE refletem apenas os tarifários disponíveis para quem quer fazer novo contrato com as comercializadoras (saindo da tarifa regulada ou de outro fornecedor). Não há dados que permitam avaliar se os consumidores que mantêm os contratos sentiram já algum agravamento da fatura. Muitas das elétricas optam por atualizar os preços dos contratos em carteira uma vez por ano. No entanto, e face à subida sustentada dos preços grossistas — alimentada pela alta das cotações de CO2 e do gás natural — muitas das comercializadoras admitiram já que terão de refletir esse custo nos consumidores.