Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

A princesa Leonor de Espanha despediu-se esta segunda-feira dos pais e da irmã e rumou ao País de Gales para ingressar no Colégio UWC Atlantic, onde tirará um Bacharelato Internacional — um curso pré-universitário, com duração de dois anos, para alunos com idades entre 16 e 19 anos.

Foi no aeroporto de Madrid–Barajas que a Princesa das Astúrias deu os últimos abraços ao rei Felipe VI, à rainha Letizia e à infanta Sofía, momentos captados e partilhados pela Casa Real espanhola. O colégio interno insere-se no castelo medieval St Donat’s, no sul de Gales, e alberga cerca de 350 alunos de 90 nacionalidades.

Leonor partilha quarto com três alunas e vai estudar ciências, artes e humanidades, numa escola que proclama o objetivo de “fazer da educação uma força capaz de unir os povos, as nações e as culturas em benefício da paz e de um futuro sustentável”, inserida no movimento educacional UWC (Colégios do Mundo Unido).

A instituição académica é atualmente uma das favoritas de aristocratas, milionários e intelectuais boémios, seguindo valores como a diversidade de classe e origem nos seus processos de admissão e promovendo princípios de “atitude valente, exemplo pessoal e liderança altruísta” aos estudantes.

Vista aérea do castelo St Donat’s

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

À princesa espanhola, que fará 16 anos em outubro, junta-se a princesa Alexia dos Países Baixos, a segunda filha dos reis holandeses. Ao contrário da sua companheira espanhola, Alexia não é a herdeira ao trono, pelo que, no futuro, não terá direito a palácio, seguranças, nem ao salário do Estado, conta o jornal El Pais. Desta forma, os pais querem que a filha usufrua da liberdade para mais tarde ter capacidade de escolher o que seguir na vida profissional.

Neste colégio, nenhuma das princesas poderá usar o seu título, para não haver distinções entre alunos, pelo que se passaram a chamar Leonor das Astúrias e Alexia de Orange.