Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma pugilista mexicana de 18 anos morreu após ter passado cinco dias internada num hospital no Canadá, em coma induzido. Jeanette Zapata foi levada para o hospital após um combate na cidade de Montreal, que foi interrompido pelo árbitro no final da quarta ronda depois de a jovem ter desmaiado e ficado inconsciente no ringue, segundo o canal canadiano CBC.

A luta de boxe que ocorreu no sábado à noite, no estádio Jarry Park, contra a canadiana Marie-Pier Houle, foi o primeiro compromisso de Zapata fora do seu país natal. No dia seguinte, a Comissão de álcool, corridas e jogos do estado do Quebec anunciava que iria investigar o combate, mas ressalvava que a desportista tinha passado por todas as provas médicas exigidas antes da luta de sábado — provas que foram realizadas no seguimento da sua anterior derrota por nocaute (golpe que leva ao fim do encontro quando o pugilista fica dez segundos caído), a 15 de maio.

Depois de dois socos seguidos por parte de Pier Houle, durante os quais a proteção dentária foi mesmo arrancada, a jovem caiu e não se levant0u mais, tendo ainda sofrido convulsões. A competidora canadiana tinha-se manifestado preocupada com a situação de Zapata nas redes sociais, lembrando que “o boxe tem os seus riscos e perigos”. “A intenção de ferir gravemente a minha adversária nunca faz parte dos meus planos”, garantiu. Neste momento, as suas redes sociais estão indisponíveis ao público.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Jeanette Zapata, nascida na região de Aguascalientes, México, morreu esta quinta-feira à tarde (hora local, noite em Portugal) no hospital Sacré-Cœur, em Montreal.