Simon Biles faz parte de um lote de quatro atletas olímpicas, com McKayla Maroney, Maggie Nichols e Aly Raisman, que vai testemunhar perante um comité do Senado dos EUA sobre o processo do predador sexual Larry Nassar, médico massagista da equipa norte-americana de ginástica, a cumprir pena de prisão perpétua por abusos sexuais a menores. Neste caso, a audiência incide sobre uma investigação à ação, ou neste caso inação, do FBI, perante as primeiras queixas e indícios de atividade criminosa de Nassar. Alegadamente, poderão ter sido abusadas cerca de 70 melhores desde que o FBI recebeu informações, em julho de 2015, e a detenção de Nassar, praticamente ano e meio depois.

Larry Nassar. A história do monstro que abusou de centenas de atletas durante mais de 20 anos

As quatro atletas serão ouvidas no primeiro painel de testemunhas perante o Comité Judicial do Senado logo na quarta-feira de manhã, com o segundo painel a incluir o diretor do FBI Christopher Wray e o inspetor-geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz. Foi precisamente um documento do Departamento de Justiça que, em julho, alertou para a existência de erros “básicos” no trabalho do FBI.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.