Orlando Monteiro da Silva, candidato da Iniciativa Liberal (IL) à Câmara de Gaia, quer ver os cidadãos com “liberdade de escolha” em questões como a educação ou saúde e tirar o concelho “da estagnação”.

Nós precisamos de dar às pessoas liberdade de escolha, para a educação, para a saúde, para a segurança social e até obviamente em termos políticos. Estamos aqui também para dar às pessoas capacidade de escolha em termos políticos”, assegurou à Lusa Orlando Monteiro da Silva, à margem da apresentação dos candidatos do partido a Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, para as próximas eleições autárquicas de 26 de setembro, evento que decorreu no World of Wine.

Também esta terça-feira foi lançado o sítio na Internet ‘Gaia Liberal’ com todo o programa autárquico e candidatos.

O ex-bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas é o primeiro candidato da IL a Gaia e deu como exemplo o programa cheque-dentista como um exemplo do que deve ser adotado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Era um programa com financiamento público, mas as pessoas tinham liberdade para escolher o médico dentista, para determinados tratamentos nas suas clínicas e consultórios privados. É por aí que eu vou, liberdade de escolha”, sustentou.

Ainda sobre a área da saúde, Orlando Monteiro da Silva considera que “muita gente ficou para trás” à espera de médico de família ou cirurgias, defendendo que “a autarquia tinha um papel a desempenhar para assegurar que os tempos mínimos de espera para cirurgias e consultas não fossem ultrapassados”.

O candidato da IL apontou ainda que não só em Gaia, mas também em todo o país, há uma “extorsão” de impostos às pessoas “para depois redistribuir com critérios que não se conhecem para um conjunto de atividades, associações, programas e coletividades que as pessoas não conhecem e não lhes dizem nada”.

Nós temos que confiar nas pessoas, deixar as pessoas crescer, criar emprego, e Gaia tem todas as condições para que isso possa acontecer”, atirou.

Orlando Monteiro da Silva alertou que “há uma sensação de estagnação” e de que se “baixou os braços”, defendendo que é necessário despertar a “Gaia adormecida”.

O liberal frisou ainda que o atual presidente da Câmara [o socialista Eduardo Vítor Rodrigues] “esconde-se sempre atrás de Rui Moreira e de outros [autarcas] para não incomodar o poder socialista nacional”, e que este não fala de “questões que são fundamentais para a região” como a TAP, o Porto de Leixões ou o Terminal de Cruzeiros de Leixões.

Em Gaia são também candidatos à Câmara a deputada à Assembleia da República Diana Ferreira (CDU), o engenheiro civil Renato Soeiro (BE), o gestor Alcides Couto (Chega), o deputado à Assembleia da República e vereador Cancela Moura (PSD/CDS-PP/PPM), o atual presidente, Eduardo Vítor Rodrigues (PS), Nuno Gomes de Oliveira, Técnico Superior na Câmara de Gaia (PAN), a investigadora Ana Poças (Livre) e Vítor Marques (Movimento por Gaia).