“Vou estar particularmente empenhado em ganhar São Domingos de Rana. Eu mereço, nesta última vez que concorro, ter a grande alegria de ganhar esta freguesia”, disse Carlos Carreiras no final da intervenção da apresentação da recandidatura. O autarca de Cascais concorre para um terceiro mandato depois de duas maiorias absolutas, mas entre as quatro freguesias do concelho, uma continua a vestir as cores do Partido Socialista. Noutros municípios de norte a sul continuam a existir alguns “enclaves” que vão resistindo às maiorias dos executivos municipais, uns por questões históricas, outros resultado de uniões de freguesias que alteraram as forças partidárias e outros por más apostas nas equipas candidatas.

Em Cascais, onde a coligação PSD/CDS tem desde 2013 seis em onze vereadores, há uma freguesia que continua entregue ao PS e a Fernanda Gonçalves, que parte também para um terceiro mandato em que “embora confiante” diz ao Observador que “não sendo da mesma cor política a gestão diária torna-se mais complicada”, apontando a “falta de delegação de competências, numa freguesia que é uma das mais populosas do país e que tem que andar de mão estendida”. A autarca queixa-se de que a Câmara de Cascais “faz o que quer, quando quer e depois coloca as culpas na junta”, acrescentando que “mais uma vez todas as obras estão a ser feitas no último ano do mandato”.

Do lado do PSD/CDS a aposta faz-se mais uma vez em Fernando Ferreira Marques, que em 2017 conquistou 7290 votos – perdendo para a Assembleia de Freguesia pouco mais de mil votos face ao que a coligação recebeu para a Câmara Municipal. Carlos Carreiras prometeu na intervenção de apresentação da candidatura “dedicar mais tempo a São Domingos de Rana”, quase como apostando nesta freguesia como último desejo deste período autárquico. A atual presidente e recandidata socialista, Fernanda Gonçalves mostra-se pouco confiante em grandes alterações de forças na autarquia mas confessa que “claro que preferia o PS a governar, não sendo possível, que o PSD e o CDS não tenham maioria absoluta para não fazerem apenas o que querem”.

Gondomar, união de freguesias alterou correlação de forças

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.