Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi uma tarde de recordes e de história em Old Trafford, no último domingo, na receção do Manchester United de Cristiano Ronaldo e Diogo Dalot ao Liverpool de Diogo Jota. Contudo, como foram demonstrado os milhares de adeptos dos red devils que foram saindo durante o encontro, não foi um dia de glória para o seu clube, que fez história, sim, mas da pior maneira possível frente ao grande rival. Ao perder por claros 5-0 (4-0 ao intervalo), a equipa de Ronaldo conseguiu várias proezas, entre as quais a primeira derrota por cinco ou mais golos e sem marcar, em casa, desde 1955, quando sob o comando do lendário Matt Busby, o conjunto perdeu frente ao Manchester City pelos mesmos 5-0. Há 66 anos, portanto.

Mas o problema não fica por aqui, porque no que toca aos encontros entre United e Liverpool, também foram estabelecidos novos máximos, com a equipa de Manchester a ser derrotada por mais de cinco golos apenas uma vez,  no longínquo ano de 1895, quando sofreu um 7-1 em Anfield, com o primeiro e único 5-0 a ser até estes dias também em casa do Liverpool, em 1925. Com o resultado a virar desta vez para Old Trafford, acontecendo pela primeira vez nas muralhas do Manchester United, foi também a primeira ocasião em que a equipa chegou ao intervalo num jogo da Premier League a perder 4-0.

Cristiano Ronaldo ainda acertou na baliza, reduzindo então supostamente para 5-1, já em cima do apito final, mas veria o golo ser-lhe retirado devido a fora de jogo. Mais tarde, nas redes sociais, o português reagiu ao pesado desaire: “Às vezes, o resultado não é aquele pelo qual lutamos. Às vezes, a pontuação não é a que desejamos. E isso é culpa nossa, só nossa, porque não há mais ninguém para culpar. Os nossos fãs foram, mais uma vez, incríveis com um apoio constante. Merecem melhor do que isto, muito melhor, e cabe-nos fazer por isso. A hora é agora”.

Num jogo que contou com o lendário Alex Ferguson na bancada, cuja cara, sem muitas surpresas, foi ficando cada vez mais fechada com o desenrolar do resultado, principalmente com o choque de eficácia e qualidade do Liverpool logo nos primeiros 45′, quem também não estava com ar de boa disposição era Ole Gunnar Solskjaer, cujo lugar (mais uma vez) está a ser posto em causa. Segundo a imprensa britânica, voltam a estar em cima da mesa os nomes do italiano Antonio Conte e do francês Zinedine Zidane, que Cristiano Ronaldo bem conhece dos tempos do Real Madrid. Admitindo que aos 4-0 entrou em controlo de danos, porque a equipa “tinha de marcar um golo a cada 15 minutos”, Solskjaer admitiu que foi o “dia mais negro” desde que orienta este plantel. “Não fomos bons o suficiente em termos individuais e coletivos. Não podemos dar a uma equipa sobre o Liverpool estas oportunidades e infelizmente demos. Toda a performance não foi boa o suficiente. O terceiro golo decidiu o jogo”, disse.

O treinador norueguês, que ganhou o treble (Premier League, Taça de Inglaterra e Liga dos Campeões) em 1999 como jogador do Manchester United, afirmou ainda, citado pela TalkSport, que ainda pensa ter apoio dos dirigentes, mas não só… “Não ouvi nada sobre o meu futuro e continuou a pensar no trabalho de amanhã. Claro que estamos muito em baixo e não posso dizer que já me senti pior que isto. É o pior que já me senti, o mais em baixo que já estive mas, como disse, aceito que a responsabilidade é minha e será minha daqui para a frente. Batemos no fundo e estamos com a confiança em baixo, mas na próxima semana temos o Tottenham fora, uma Liga dos Campeões na Atalanta e a próxima equipa que nos visita é o Manchester City. Temos de olhar para a frente e garantir que vamos para o próximo treino e para o próximo jogo com o estado mental certo”, acrescentou.

Não foi o fim da linha para Solskjaer. Foi o descarrilamento total de uma equipa: Manchester United goleado pelo Liverpool em Old Trafford

Sempre acutilante e sem medo das palavras, Gary Neville, ex-capitão do Manchester United, afirmou que o 0-5 frente ao Liverpool “não podia ser pior”. “Todos perdemos jogos de uma maneira horrível. Sir Alex Ferguson perdeu 6-1 contra o Manchester City e eu perdi 5-0 no campo do Newcastle, acontece, mas é a natureza da exibição. Capitularam“, disse o inglês segundo a BBC.

“A pressão após este jogo vai ser insuportável. A administração deixou todos cientes de que são inabaláveis ​​no seu apoio e o apoiaram [Solskjaer] em todos os momentos difíceis. Resultados como este minam isso e é preocupante. Foram nove jogos terríveis. Esqueçam este [Liverpool], os outros oito foram pobres. O plantel vai estar completamente desmoralizado e as próximas 24 horas serão muito escaldantes. Têm de permanecer juntos porque vai ser doloroso”, acrescentou Neville, que foi colega de equipa de Solskjaer nos red devils.