Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As autoridades de saúde britânicas estão a analisar a possibilidade de administrar uma quarta dose às pessoas com comorbilidades especialmente suscetíveis de desenvolver Covid-19 grave em caso de infeção pelo SARS-CoV-2. A atualização do esquema vacinal, que pode incluir também o alargamento da terceira dose aos indivíduos com 18 a 39 anos sem comorbilidades, está a ser ponderado pelo Comité Conjunto de Vacinação e Imunização.

Em entrevista à BBC, o ministro da saúde, Sajid Javid, disse que, “se fizer sentido ir mais longe, iremos”: “Eles [os especialistas do comité] disseram, no aconselhamento mais recente, que isso era algo que quereriam fazer de qualquer modo — vacinar a partir dos 18 anos”.

As declarações do ministro em entrevista à BBC surgem numa altura em que os óbitos por Covid-19 no Reino Unido estão a aumentar e já se aproximaram dos 300 num só dia. Além das vantagens em distribuir uma segunda dose de reforço (quarta dose) aos mais vulneráveis, o comité também vai debater a necessidade de administrar uma terceira dose à população entre os 18 e 39 anos sem comorbilidades — os principais causadores da incidência no Reino Unido.

Os dados partilhados com a plataforma Our World in Data indicam que 68% dos britânicos estão completamente vacinados contra a Covid-19 e que 6,8% só receberam uma dose. Apesar da reduzida cobertura vacinal no Reino Unido, Sajid Javid recusa tornar obrigatória a vacinação contra a Covid-19: “Temos a sorte de, neste país, havendo dúvidas sobre as vacinas, serem muito menores que noutros lugares”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mesmo sem quarta dose ou um alargamento da terceira dose aos adultos mais novos, o processo de vacinação no Reino Unido está a sofrer atrasos. De acordo com o The Guardian, alguns jovens entre os 12 e os 15 anos podem ter de esperar até fevereiro para serem vacinados — mais 15 semanas que a meta delineada pelo governo para chegar a todos os adolescentes elegíveis para a vacinação.

Em reação à previsão dos trabalhistas, fonte oficial do Departamento de Saúde e Segurança Social classificou o plano de vacinação como um “sucesso fenomenal” que já permitiu vacinar 40% dos jovens entre os 12 e os 15 anos. “Estamos a fazer tudo o que podemos para continuar a encorajar mais pessoas a chegarem-se à frente”, garantiu a entidade.