Um aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete obriga a fazer uma terceira travessia no Tejo? A resposta é não, numa primeira fase do projeto. Mas o relatório preliminar da comissão técnica independente (CTI) conta com o avanço desta infraestrutura porque ela está prevista nos planos de ordenamento para a área de Lisboa, no plano ferroviário nacional e faz parte do projeto da rede de alta velocidade entregue na Comissão Europeia. E, para a presidente da CTI ,”é necessária, independentemente da alta velocidade e do aeroporto, porque é um projeto âncora na área metropolitana de Lisboa, que corresponde à circular ferroviária que está prevista há muitos anos”, defendeu em entrevista ao Observador.

Nem político, nem ambiental. Maior risco para novo aeroporto é “jurídico” (devido a contrato com ANA), diz coordenadora da CTI

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.