814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

As 10 frases que marcaram a campanha eleitoral mais polémica de sempre no Brasil

A campanha eleitoral mais polémica de que há memória no Brasil foi feita de frases controversas e que só deixam dúvidas sobre o futuro. Da violência, às fake news, passando pelo indulto a Lula.

É um registo comum aos dois candidatos: seja qual for o resultado das eleições deste domingo, já ninguém apaga as frases polémicas e agressivas que encheram a campanha e, tantas vezes, a desviaram da discussão política. De um lado, o PT joga ao ataque desde que o impeachment derrubou o Governo de Dilma e ainda mais desde a prisão do ex-Presidente Lula da Silva. Do outro, Jair Bolsonaro saiu das filas de trás do Congresso dos Deputados para se mostrar ao Brasil e ao mundo como sempre foi: descomplexadamente polémico e militantemente agressivo.

As principais frases que sobram destas eleições falam muito do Brasil dos últimos meses — e deixam muitos pontos de interrogação quanto ao seu futuro.

(HEULER ANDREY/AFP/Getty Images)

(HEULER ANDREY/AFP/Getty Images)

“Se querem usar a violência, os profissionais da violência somos nós.”
Hamilton Mourão, candidato à vice-presidência pelo PSL (6 de setembro)

O ataque contra Jair Bolsonaro revelou ser, sem sombra de dúvidas, um ponto fulcral desta campanha — e, possivelmente, de viragem para o candidato do Partido Social Liberal (PSL). Para além da questão clínica — Bolsonaro ficou ferido com gravidade, obrigando a um internamento e a duas cirurgias delicadas — o momento deixou-o frágil, recatado, acossado. Tal poderia ser uma fraqueza, mas, na verdade, os politólogos são unânimes: a facada ajudou mais Bolsonaro do que o prejudicou, já que lhe deu a justificação perfeita para passar a falar com o seu eleitorado apenas através das redes sociais, em ambiente controlado, evitando debates e ações de campanha. Por outro lado, humanizou-o perante o eleitorado, deixando para os restantes membros da sua campanha — como o general Mourão — a tarefa de manter o discurso endurecido. Como esta frase, proferida no dia da facada, o comprova.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

(Victor Moriyama/Getty Images)

Victor Moriyama/Getty Images

“Eu não sou mais um ser humano. Eu sou uma ideia.” 
Lula da Silva (4 de abril)

Foi o último fôlego de Lula em liberdade. No dia 5 de abril, O juiz Sérgio Moro decretou a prisão do ex-Presidente, depois de o Supremo Tribunal Federal lhe ter negado o pedido de habeas corpus preventivo — tudo isto depois de ter sido condenado a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. Lula, que tinha ordem de se apresentar às autoridades, preferiu ir para uma das suas casas: o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Paulo. Ali, num edifício rodeado de apoiantes e sobrevoado por helicópteros de diferentes canais de televisão, ficou até dia 7 de abril. Aceitou entregar-se com uma condição: que antes fosse feita uma missa em honra da sua mulher e lhe fosse dado um microfone em cima de um palco. E assim foi. Discursou durante praticamente uma hora, em cima de um palanque com várias figuras da esquerda do Brasil — incluindo Haddad. “Eu não sou mais um ser humano. Eu sou uma ideia”, disse. Meses mais tarde, confirmou-se: Lula foi a ideia e Haddad o humano com a missão de encarná-la.

(NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images

“Eu não veria problema nenhum em o presidente eleito dar indulto ao presidente Lula. Isso aí é absolutamente normal."
Gleisi Hoffmann (25 de setembro)

O PT nunca aceitou a ideia de Lula estar preso. Ainda o ex-Presidente não estava detido, a grande pergunta — e o grande slogan — que surgia da boca dos altos quadros do PT era: “Cadê a prova?”. Depois, quando foi preso, a esquerda brasileira apressou-se a fazer campanha pela sua libertação — até agora, em vão. No entanto, dentro do PT houve quem visse numa possível eleição de Haddad a possibilidade de o ex-Presidente ser libertado através de um indulto presidencial. A ideia foi inicialmente avançada por Manuela d’Ávila, vice de Haddad, ainda antes de ter essa responsabilidade: “Eu daria o insulto ao Presidente Lula”. Mais à frente, foi a vez do ex-governador em Minas Gerais pelo PT, Fernando Pimentel, assinar por baixo essa ideia. Acossado pela polémica que isto causou, Haddad disse de forma clara: “Não. Não ao indulto”. Mas, logo depois, a presidente do PT veio falar por cima dele, sublinhando que “o indulto é uma previsão constitucional” e que “não veria problema nenhum” na sua utilização.

(CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images)

(CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images)

"[Haddad] agora está servindo um homem que poderia ser um grande Presidente. Mas o Lula está colhendo o que plantou. Lamento que ele esteja preso."
Jair Bolsonaro (4 de outubro)

A 4 de outubro, Bolsonaro via a tendência de descolamento de Haddad nas sondagens a acentuar-se, desde finais de setembro. Contudo, na última reta da campanha antes da primeira volta, o candidato da extrema-direita foi ao Nordeste, fortaleza do PT, e tentou arrebanhar votos aos petistas. Como? Tentando moderar-se e, a contragosto, elogiando levemente Lula da Silva. Naquela que é a região mais pobre de todo o Brasil, Lula e os programas sociais que aplicou são estrelas. Bolsonaro sabe-o e tentou apaziguar os receios dos nordestinos. Mais tarde, já depois da primeira volta — onde ganhou em quase todos os estados com exceção dos nordestinos —, garantiu que alguns programas de Lula manter-se-iam num Governo PSL: “Homens e mulheres do Bolsa Família, fiquem tranquilos”, declarou.

(CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images)

CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images

“Nós revimos o nosso posicionamento. Nós vamos fazer as reformas devidas por emenda constitucional.”
Fernando Haddad (8 de outubro)

No dia seguinte à primeira volta, Haddad era um homem mudado. Em entrevista ao Jornal Nacional, despiu as t-shirts a dizer “Lula Livre” e vestiu um fato e gravata, pôs de lado a esquerda e decidiu apelar ao centro. Era precisamente isso que lhe convinha, depois de ter ficado com 29,3% dos votos na primeira volta — sobrando, assim, quase 21% de votos a conquistar para poder vencer a segunda volta. Dessa forma, garantiu que o PT abria mão da proposta de fazer uma nova Constituição caso vencesse as eleições — uma promessa eleitoral prevista no seu governo e um objetivo defendido por Lula pouco depois de ter começado a Operação Lava Jato.

(MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

(MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

“As mulheres de direita são mais bonitas que as da esquerda. Elas não mostram os peitos e nem defecam nas ruas. As mulheres de direita têm mais higiene.”
Eduardo Bolsonaro, filho do candidato Jair Bolsonaro (30 de setembro)

A 29 de setembro, milhares de brasileiros saíram às ruas, unidos sob o lema “#EleNão”. No dia seguinte, os eleitores pró-Bolsonaro reagiram nas suas próprias manifestações, gritando agora “#EleSim”. Num desses comícios, o filho mais novo de Bolsonaro, Eduardo, falou sobre os protestos do dia anterior, atacando diretamente as mulheres que participaram. O discurso, contudo, não o prejudicou nas urnas, já que dias depois acabou por ser eleito como deputado federal como uma votação recorde. Também o seu irmão mais velho, Flávio Bolsonaro, foi eleito como senador.

(NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images

"Eu vou na enfermaria em que ele estiver para debater o país. Os brasileiros precisam saber a verdade sobre as coisas."
Fernando Haddad (10 de outubro)

Ao todo, estavam previstos seis debates para a segunda volta das eleições presidenciais, a acontecer entre 11 de outubro e 26 de outubro. Porém, nenhum acabou por acontecer. Após consulta com os seus médicos, Bolsonaro foi aconselhado a não estar presente nos quatro primeiros debates por razões de saúde. Ainda assim, continuou a dar entrevistas e a fazer vídeos em direto para os seus seguidores no Facebook. Perante esta aparente contradição, Haddad desafiou o seu adversário para debater, fosse onde fosse. “Eu vou na enfermaria em que eles tiver para debater o país”, disse. Nem ali, nem mais tarde, mesmo tendo autorização médica para participar nos dois últimos debates, Bolsonaro aceitou fazê-lo. Como consequência, Haddad desdobrou-se em entrevistas todos os dias, algumas a acontecer à mesma hora e no mesmo sítio onde deveria ter havido debates.

(MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

(MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

"Senhor Andrade, quem conversa com poste é bêbado."
Jair Bolsonaro (16 de outubro)

É um remoque duro contra Fernando Haddad, que ilustra bem a estratégia da campanha de Bolsonaro entre as duas voltas. Justificando por que razão não iria estar presente nos debates televisivos, Bolsonaro utilizou o Twitter para responder ao homem do PT. Primeiro, chamou-lhe “Senhor Andrade” — nome utilizado por alguns dos eleitores que pareciam não conseguir atinar com o nome de “Haddad”, sintoma da falta de popularidade do homem escolhido para substituir Lula da Silva. A segunda parte, em que Bolsonaro chama “poste” a Haddad, cumpre o outro propósito da sua alfinetada: evidenciar que Haddad é um candidato segunda escolha, que não toma decisões por si próprio e que depende dos conselhos de Lula. Bolsonaro justifica, assim, a sua ausência dos debates — e é chamado de “covarde” por Haddad.

(NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images

“Ele é general, eu sou capitão, mas eu sou o Presidente. Eu o desaconselhei nesse momento. O general Mourão foi infeliz, deu uma canelada.”
Jair Bolsonaro (8 de outubro)

As tensões entre Bolsonaro e o seu candidato a vice-Presidente tornaram-se evidentes quando o general Mourão classificou o pagamento do 13º mês como uma “jabuticaba”, ou seja, algo que só acontece no Brasil e que deveria ser alterado. “O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (não passível de ser suprimido sequer por proposta de emenda à Constituição). Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”, respondeu Bolsonaro no Twitter. Mas nem o puxão de orelhas em público atrapalhou Mourão, que continuou a desafiar o capitão. E quando Mourão defendeu a realização de uma Assembleia Constituinte feita por notáveis em vez de eleitos, Bolsonaro relembrou-lhe que o candidato a Presidente era ele e não o general.

(YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images)

(YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images)

“Eu recebo cada coisa a meu respeito que quase desisto de votar em mim. É muita mentira, nossa senhora.”
Fernando Haddad (14 de outubro)

Se o anglicismo da moda da política brasileira até há pouco tempo era impeachment, em 2018 passou a ser fake news. Foi sem dúvida este o foco da reta final da campanha presidencial, sobretudo com Haddad a queixar-se da quantidade de notícias veiculadas em grupos de WhatsApp e noutras plataformas com o intuito de denegri-lo e à sua campanha. Sobre o candidato do PT escreveu-se e espalhou-se de tudo um pouco: que achava que as crianças deviam ser propriedade do Estado a partir dos 5 anos para que o Governo escolhesse o seu género; que Haddad era a favor do incesto; ou até a montagem em que o candidato do PT segurava num brinquedo sexual, feito a partir de uma fotografia onde o objeto em questão era uma garrafa de refrigerante. Na reta final da campanha, a Folha de S. Paulo denunciou um alegado esquema montado e pago por empresas afetas à campanha de Bolsonaro para espalhar fake news no WhatsApp com o seu conhecimento. O caso está a ser investigado pelo Tribunal Superior Eleitoral. Se o alegado esquema for provado, e mesmo que não seja determinado envolvimento de Bolsonaro nele, as eleições podem vir a ser anuladas.

[Veja no vídeo como entrámos no mundo das notícias falsas do Whatsapp brasileiro]

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos