Crónica das ofensivas espanholas na banca portuguesa

21 Fevereiro 2015

A oferta do CaixaBank sobre o BPI é última investida espanhola. Desde a privatização da banca nacional, vários bancos espanhóis tentaram ganhar dimensão deste lado. Nem todos foram bem recebidos.

Um dos maiores bancos espanhóis escolheu o dia de Carnaval para lançar uma oferta pública de aquisição sobre o Banco Português de Investimento. A OPA do CaixaBank, que já o principal acionista do BPI, foi recebida com tranquilidade em Portugal. Mas nem sempre foi assim no passado quando as investidas do outro lado causaram desconforto e mesmo oposição deste lado da fronteira.

A história moderna dos ataques espanhóis à banca portuguesa começa com as privatizações no final dos anos 80. O caso Totta/Banesto foi o maior escândalo do processo de privatizações e gerou um clima de alta tensão entre as autoridades de Lisboa e Madrid que encheu as manchetes de jornais durante meses.

O Banco Totta e Açores foi o primeiro banco nacionalizado a ser vendido em 1988. A abertura do setor ao capital privado foi gradual e o governo do então primeiro-ministro Cavaco Silva limitou a participação de investidores estrangeiros a 10%, mas aceitou parceiros estratégicos internacionais na banca.

Os acionistas privados portugueses estavam reunidos na Valores Ibéricos, uma holding que juntou empresários como José Roquette e Moniz da Maia, e que vai buscar apoio à banca espanhola. O Banesto, sob a liderança de Mario Conde, é então a maior estrela do setor financeiro ibérico. O banco tem uma estratégia agressiva de expansão com investimentos em empresas não financeiras e um presidente que se movimenta tão à vontade na alta esfera política como no jet set espanhol.

Mario Conde, o mais controverso banqueiro espanhol, foi o primeiro tentar comprar o Totta

Em 1993, Mario Conde anuncia que afinal controla 50% do Totta. Uma participação que foi comprando à revelia dos acionistas, pelo menos de alguns, portugueses e das autoridades do país, através de um testa-de-ferro. O advogado Meneses Falcão foi buscar financiamento ao Banesto para comprar ações do Totta que depois deu como garantia ao banco espanhol. A polémica rebentou em Portugal contra a provocação espanhola.

Mas antes de Lisboa ter tempo de reagir, as autoridades espanholas lançam um raide sobre o Banesto e afastam Mario Conde cuja gestão é acusada de ter arrastado a instituição para o colapso financeiro. O banqueiro foi detido. O Santander compra o Banesto e fica a gerir o banco intervencionado. Há contactos com Lisboa para resolver o embaraço político criado pelo caso Totta. O então ministro das Finança, Eduardo Catroga, lança o ultimato: o Totta tem de voltar a mãos portuguesas até ao final de 1994.

As instituições permanecem, mas os governos mudam. E o Santander voltará a Portugal"

À frente do delicado dossiê está Emílio Botin. É o líder histórico do Santander que vai negociar com as autoridades portuguesas a exigência de venda do capital espanhol no Totta. Confrontado com o ultimato, Botin faz uma profecia: “As instituições permanecem, mas os governos mudam. E o Santander voltará a Portugal”.

A participação no Totta & Açores é vendida a António Champalimaud numa operação em que o governo dispensa o empresário português de lançar uma oferta pública de aquisição sobre as ações dispersas em bolsa. A ajuda reduz o esforço financeiro do empresário português, mas provoca a demissão do então presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Fernando Costa Lima, contra a intervenção política no mercado de capitais.

O antigo industrial irá criar o segundo maior grupo financeiro privado português a partir da compra de instituições privatizadas, juntando a seguradora Mundial Confiança, o Totta e o Banco Pinto e Sotto Mayor. É o grupo Champalimaud que irá protagonizar a outra grande polémica nas relações ibéricas. Mas antes houve outras histórias menos conhecidas.

No início da década de noventa e em pleno ciclo de crescimento, o BCP de Jorge Jardim Gonçalves tem um problema sério para resolver em casa. O maior acionista do Banco Comercial Português é Américo Amorim. O empresário é o maior investidor no BCP, ambiciona ter poder e entrar na administração do banco. Esta ambição rapidamente entra em choque com o banco de gestores criado por Jardim Gonçalves: onde os acionistas investem e os administradores mandam. Depois de várias tentativas para ganhar influência, Américo Amorim acaba por colocar no mercado a participação da família, sem avisar o então presidente do BCP. O Santander posiciona-se como comprador. À venda estava quase 20% do banco português.

Jardim Gonçalves reage com rapidez e encontra uma alternativa do outro lado da fronteira: um aliado espanhol mais confiável do que Emílio Botín. O Central Hispano, liderado por José Maria Amusátegui, chegou a ter ambições no banco português, mas o presidente do BCP conseguiu gerir o apetite espanhol e o banco português até se tornou acionista de referência do Central Hispano que chegou a ter quase 10% do BCP.

A parceria estratégica entre o Central Hispano e o BCP iria durar quase dez anos e trazer estabilidade acionista àquele que viria a tornar-se no maior banco privado português. Até que Botín voltou a agitar as águas da banca ibérica.

Um imbróglio chamado “negócio Champalimaud”

No final dos anos 1990, em plena euforia pré-euro, as fusões estão na moda no setor financeiro europeu. Em Portugal, o BCP tinha engolido o BPA (Banco Português do Atlântico) e estava à procura de novos alvos. O BPI foi às compras nas privatizações e adquiriu o Banco de Fomento Exterior (a origem do BFA em Angola) e os bancos de retalho Fonsecas e Burnay e Borges & Irmão, aproximando-se do Grupo Champalimaud. O BES mantinha a estratégia de crescimento orgânico e ainda tentou uma fusão com o BPI que acabou por falhar quando Ricardo Salgado anunciou que a marca dominante seria a sua. Choque de culturas foi a justificação então dada para o fim do acordo.

Mas aqui ao lado nascem dois gigantes da banca europeia. O Banco Bilbao e Vizcaya junta-se ao Argentaria para criar o BBVA. O Santander funde-se com o Central Hispano no BSCH. A primeira onda de choque chega ao BCP, onde Jardim Gonçalves exige a Botín que abdique do mercado português para manter a parceria com o novo dono do Central Hispano. O líder do novo gigante espanhol recusa.

O Santander foi uma das primeiras instituições estrangeiras a entrar quando as portas da banca portuguesa se começaram a abrir. No final dos anos 1980, o banco espanhol compra uma posição no BCI (Banco de Comércio e Indústria) que tinha sido lançado pelos acionistas do BPI. O grupo desenvolveu ainda a banca de investimento através do Santander de Negócios, uma instituição que viria a lançar a carreira de um dos mais famosos e bem-sucedidos banqueiros nacionais, António Horta Osório.

Quando teve de entregar o Totta, Botín prometeu voltar em força. E poucos meses depois de comprar o Central Hispano volta a fechar um grande negócio, desta vez em Portugal.

Não era segredo nos meios financeiros que os bancos Champalimaud estavam à venda. Chegou a haver conversas com o BPI e com o BCP para avaliar oportunidades de alienação, mas o terceiro maior grupo financeiro nacional, seria demasiado grande para ser digerido por um único comprador português. Ainda assim, quando é anunciado o acordo para a venda de 40% da Mundial Confiança ao Santander, muitos são apanhados de surpresa. A começar pelo governo.

António Champalimaud

O negócio entre Champalimaud e Botín entregava ao banco espanhol uma posição relevante na seguradora que era a cabeça do grupo que detinha a maioria dos bancos Pinto e Sotto Mayor, Totta & Açores e Crédito Predial Português. Todas estas entidades estavam cotadas na bolsa, mas pelas regras da altura o Santander não era obrigado a lançar uma oferta pública de aquisição (OPA). Na prática os 40% representavam o controlo.

Depois da estupefação, o governo liderado por António Guterres manifestou oposição ao negócio Champalimaud e ninguém dentro do governo ficou mais furioso do que o então ministro das Finanças. Sousa Franco não perdoou ao empresário que tinha invocado os centros de decisão nacionais para conseguir vantagens na aquisição dos bancos ao Estado. O veto político manifesta-se nos pareceres contrários do Banco de Portugal e do Instituto de Seguros de Portugal que chegaram a pôr em causa a idoneidade do Santander.

O escândalo em Portugal evoluiu para um escândalo europeu quando a Comissão Europeia ameaçou instaurar processos contra a intervenção de um pequeno estado-membro no mercado. Portugal atrevia-se a desafiar as regras da moeda única e o princípio sagrado da livre circulação de capitais na Europa, travando a compra espanhola. O negócio Champalimaud chegou às manchetes dos jornais económicos internacionais. O verão quente português de 1999 animou o verão das finanças europeias.

O ano era de eleições e em outubro António Guterres repete a vitória. Apesar de falhar novamente a maioria absoluta, o executivo aposta num super-ministro das Finanças. Joaquim Pina Moura substitui o intransigente Sousa Franco e, pragmático, aborda as partes interessadas para procurar um acordo que salve a face de Portugal.

O acordo que redefiniu o mercado bancário em Portugal

Por esta altura, já o BCP tinha entrado na corrida pelos ativos Champalimaud, lançando uma OPA sobre o Pinto e Sotto Mayor. Pina Moura irá mediar um acordo tripartido que parte o grupo financeiro em três fatias. O Santander fica com uma  parte que corresponde ao Totta & Açores e o Crédito Predial Português. Cumpre-se o destino espanhol do Totta.

O BCP fica com o Pinto e Sotto Mayor, que tinha tentado comprar em 1994, e consolida a posição de maior banco privado português. Champalimaud vende todo o grupo e em troca torna-se um dos principais acionistas do Santander.

A Caixa Geral de Depósitos acaba por ficar com a Mundial Confiança. O banco do Estado, que já tem a Fidelidade, assume a liderança do negócio segurador em Portugal. É esta operação que será vendida 14 anos mais tarde aos chineses da Fosun

O acordo que redesenhou o negócio Champalimaud também reconfigurou o mercado bancário português, levando à constituição dos grupos e das relações de força que marcaram o setor financeiro por mais de uma década. Até que o colapso do Banco Espírito Santo no ano passado criou as condições para que tudo volte a mudar.

Caixa, BCP, BES, BPI dominaram a banca nacional sem interferências de maior. O Santander foi o único banco espanhol, ou mesmo internacional, que conseguiu colocar uma lança no mercado português. Outros tentaram, mas com menos sucesso. O Banco Popular compra o Banco Nacional de Crédito a Américo Amorim no início da década passada, abrindo a porta da administração ao empresário português.

O BBVA faz algumas abordagens junto das autoridades portuguesas para sondar a abertura a uma eventual compra do BCP, mas a resposta é negativa. O banco espanhol opta por entrar diretamente com uma operação própria, mas antes de atingir uma dimensão crítica vem a crise financeira e económica. O BBVA decide abandonar o mercado português em 2014 e coloca à venda as suas agências.

Espanha nunca foi prioridade para a banca portuguesa

A história do investimento espanhol na banca nacional tem derrotas e sucessos relativos. Já as tentativas portuguesas de entrar em Espanha são mais modestas e com resultados dececionantes. Talvez por causa da força da banca local, os bancos portugueses preferiram realizar parcerias estratégicas com os poderosos vizinhos. Espanha nunca foi o destino de eleição nas estratégias de internacionalização que apostaram mais em África, Brasil e o Leste europeu, no caso do BCP.

O grupo que mais quis crescer do outro lado foi a Caixa Geral de Depósitos. O banco público manteve durante alguns anos o projeto de comprar uma instituição com dimensão de relevo em Espanha e chegou a analisar algumas oportunidades. Em 2003, a CGD apresenta uma proposta de compra do Banco Atlântico, uma instituição catalã, mas a oferta portuguesa acabou por ser superada pelo Sabadell.

A Caixa Geral de Depósitos aposta então na via do crescimento orgânico, criando o Caixa Banca com presença na Catalunha e na Galiza. A instituição cresceu durante a fase de ouro da construção e do imobiliário no país vizinho e apoiou de forma proativa muitas empresas espanholas que tinham planos para investir em Portugal. Alguns destes projetos como as fábricas da Pescanova e da La Seda em Sines correram mal. Com a chegada da crise, a operação espanhola tornou-se uma fonte de prejuízos para o banco português que teve de promover uma reestruturação profunda, reduzindo a sua presença.

O Banco Espírito Santo também tentou ir às compras do outro lado da fronteira, mas não teve grande êxito. A última tentativa foi em 2013 e teve como alvo o Banco Gallego. Na altura, o Grupo Espírito Santo já sentia grandes dificuldades para se financiar e os planos do BES terão sido travados por ordem do regulador.

A última tentativa de fusão entre BCP e BPI e o fantasma espanhol

O principal banco catalão, a La Caixa, entrou no capital do BPI em 1995, tendo assumido uma posição de acionistas de referência, mas sempre em equilíbrio com o outro parceiro histórico do banco de Artur Santos Silva, o Banco Itaú. Brasileiros e espanhóis constituem com a seguradora alemã Allianz o famoso núcleo duro do BPI que iria apoiar a administração de Santos Silva e Fernando Ülrich nas várias tentativas de fusão e resistir a uma oferta quase irrecusável do BCP.

Jardim Gonçalves na administração do BCP

Entre meados da década de 90 e a OPA lançada em 2006, os gestores do BPI e do BCP conversaram várias vezes sobre uma fusão. Os dois bancos tinham um ADN comum, tinham sido iniciativa de empresários do Norte, e os dois fundadores, Jardim Gonçalves e Artur Santos Silva, tinham uma boa relação. As conversas nunca resultaram em fusão. Do lado do BPI, fala-se em desacordo quanto às regras de governo. Do lado do BCP, havia desconfiança sobre o poder do La Caixa que poderia ficar o maior acionista do novo banco. Os catalães não perdiam oportunidades para ir reforçando a sua participação que em 2006 já era de 17% do capital do BPI.

Depois de mais uma tentativa falhada de abordagem para uma fusão, o BCP lança uma oferta pública hostil sobre o BPI, em março de 2006. O novo homem forte do BCP, Paulo Teixeira Pinto, está confiante de que a oferta terá sucesso. O prémio oferecido é alto, sobretudo depois da oferta revista, e há esperança de quebrar o núcleo duro do BPI. Bastava convencer um dos três. Mas o trio mantém-se inquebrável no apoio à administração do BPI. Um dos que mais defende o banco é Carlos da Câmara Pestana, o homem do Itaú em Portugal.

A OPA morre no mercado e quase logo a seguir nasce o conflito de poder no BCP. Apesar da presença de vários acionistas estrangeiros no capital do banco, esta será uma guerra travada por portugueses, gestores e investidores. O Sabadell, que era então o parceiro espanhol do BCP, alinha ao lado de Teixeira Pinto que sai derrotado. Aparente vencedor, o lado de Jardim Gonçalves e Filipe Pinhal não está seguro da sua vitória e é neste contexto que depois do verão escaldante de 2007 é discutida mais uma fusão com o BPI.

As equipas diretivas chegaram a um entendimento e desta vez até há acordo sobre os presidentes do novo banco. Artur Santos Silva vai apresentar o negócio ao então primeiro-ministro. José Sócrates mostra abertura ao negócio, mas revela uma preocupação. Receia que o La Caixa fique com demasiado poder no novo banco, por esta altura o banco catalão já tinha 26% do BPI, e sugere que a Caixa Geral de Depósitos entre também para equilibrar a relação acionista.

O governo e o banco público acabaram por recuar no apoio à fusão que era mal vista junto de outros acionistas do BCP como Joe Berardo e a Sonangol. A operação cai e logo a seguir caem os fundadores do BCP que são substituídos pela administração da Caixa, liderada por Carlos Santos Ferreira. No BPI, o acionista espanhol continua a aumentar a participação e aproxima-se dos 30%.

A crise estava já ao virar da esquina. Primeiro financeira, depois económica e a seguir soberana e de Estado. O setor financeiro entra num ciclo de prejuízos e destruição de capital do qual vai demorar a sair, sobretudo nos mercado da periferia onde estão Portugal e Espanha. Os principais bancos portugueses são obrigados a recorrer ao fundo da troika, com a agora duvidosa exceção do BES. A banca espanhola tem de recorrer a um empréstimo internacional por causa do descalabro financeiro das cajas, instituições semi-públicas e de âmbito regional que estiveram demasiado envolvidas no boom do imobiliário espanhol.

Fernando Ülrich, presidente executivo do BPI desde 2005

Os tempos não estão para compras. A mensagem dominante é cortar custos, limitar perdas, desinvestir, vender se possível, se não, fechar. É neste contexto muito difícil que o BPI sofre um rude golpe com a saída do parceiro de longa da data. Em 2012, o brasileiro Itaú desiste do investimento em Portugal e quer vender, ainda que a preço de saldo, 50 cêntimos por ação. A única saída é o La Caixa (que passou a chamar-se CaixaBank em 2011) que compra a totalidade da participação brasileira ficando temporariamente com quase 50% do do banco português.

O CaixaBank é dispensado de lançar uma OPA (oferta pública de aquisição) e revende uma parte das suas ações a Isabel dos Santos. A empresária angolana duplica a sua participação no BPI e tem quase os mesmos direitos de voto do banco catalão, apesar de a sua posição ser menos de metade. Mas o CaixaBank já mostrou que sabe ser paciente.

A resolução do Banco Espírito Santo em 2014 e a criação do Novo Banco com ordem de venda rápida é o tiro de partida para um novo movimento de realinhamento do setor bancário português. 

A resolução do Banco Espírito Santo em 2014 e a criação do Novo Banco com ordem de venda rápida é o tiro de partida para um novo movimento de realinhamento do setor bancário português. O BPI foi um dos primeiros a manifestar o seu interesse em estudar o Novo Banco, uma espécie de reedição da fusão negociada nos anos 90, mas desta sem qualquer dúvidas sobre quem é o elo mais forte.

A oportunidade também não passa ao lado de outros bancos espanhóis. Santander entra na corrida. BBVA e Popular também estarão entre os pré-qualificados. Não é contudo ponto assente que todos façam uma oferta. É neste contexto que o CaixaBank lança a OPA sobre o BPI. O banco de Fernando Ülrich será um dos mais empenhados na proposta para o Novo Banco e se for bem-sucedido vai precisar de mais capital.

E quem pode investir mais capital? O acionista espanhol que agora também quer mandar. E desta vez não há ninguém em Portugal preocupado com o assalto espanhol. Afinal, nos últimos anos quase todas as empresas estratégicas foram alienadas a investidores estrangeiros. Se a OPA do CaixaBank tiver êxito e se o BPI comprar o Novo Banco, o grupo catalão passará a ser o acionista dominante do maior banco privado português. Ainda são muitos ses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)