Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é agora o epicentro da epidemia de Covid-19 em Portugal, com entre 70 a 90% dos novos casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas semanas. Depois de ter mantido a região com algumas restrições em relação ao resto do país na terceira fase de desconfinamento, o Governo decidiu levantá-las no dia 15, dizendo que os focos estavam controlados, apesar de os números continuarem sem baixar. Esta segunda-feira deu um passo atrás e avançou com um conjunto de medidas e limitações para a área metropolitana.

É por causa do que se passa na região de Lisboa e Vale do Tejo, que esta terça-feira detinha 86,7% dos 345 novos casos nacionais e onde morreram mais doentes com Covid-19 em junho, que a imagem exemplar de Portugal mudou. E que os gráficos que nos colocavam entre os melhores nos rankings, agora nos põem no topo dos piores. Mas porquê? Os números explicam.

Recuemos até 15 de junho. Nesse dia, a ministra da Saúde afirmou em conferência de imprensa que Portugal era o nono país na lista de novos casos diários de Covid-19 por cada 100 mil habitantes. Mas não era assim: na verdade, nesse dia era mesmo o país com mais novos casos diários de Covid-19 por 100 mil habitantes na União Europeia.

Finlândia reabre fronteiras a mais 12 países europeus com critério que exclui Portugal

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.