Eleições europeias: os resultados país a país

26 Maio 2019459

A contagem oficial começou a ser atualizada a partir das 22h, hora de Lisboa. Verdes e pequenos partidos registam as maiores subidas. Veja os resultados das Europeias país a país.

(em atualização)

Alemanha

Além da queda da CDU de Angela Merkel e da derrota do SPD em Bremen, onde não perdia há mais de 70 anos, os resultados na Alemanha mostram, sobretudo, o crescimento dos pequenos partidos — com destaque para os Verdes que acabaram por ficar em segundo lugar, com 20,50% dos votos e conseguindo 20 assentos no Parlamento.

Áustria (estimativa)

O partido do governo austríaco, o ÖVP, não deverá sofrer grande impacto do escândalo que, na semana passada, envolveu os seus parceiros de coligação do FDÖ. As últimas sondagens apontam para uma vitória com 34,5% — o que representa um crescimento de 7,5 pontos percentuais em relação às eleições de 2014.

A polémica, que levou à queda do n.º 2 do governo, partiu da divulgação de um vídeo, feito num hotel em Ibiza, no qual o vice-chanceler austríaco, Heinz-Christian Strache, prometia contratos públicos a uma mulher que fazia passar-se por neta de um oligarca russo. Além da demissão de Strache, o “escândalo de Ibiza” levou também à saída de todos os elementos do FDÖ do governo. Segundo as sondagens, o partido deve perder cerca de 2 pontos percentuais — um recuo da extrema direita, ainda que muito ligeiro.

Destaque ainda para a subida dos Verdes, que podem ficar acima dos 13%, elegendo 2 deputados.

Bélgica (estimativa)

Na Bélgica, os nacionalistas flamengos do N-VA conseguiram ser o partido mais votado, com 15,2% e três representantes eleitos. Logo a seguir, e com muito pouca diferença está a extrema-direita, com o Vlaams Belang a conseguir 12,79% e também três eurodeputados. O Partido Socialista (PS) foi o terceiro partido mais votado, seguindo-se os liberais e democratas Open VLD, com 10,47% dos votos e dois representantes.

Bulgária (estimativa)

O centro direita aparece nas sondagens à boca das urnas em primeiro lugar. Segundo essa estimativa, o GERB conseguirá 31,8% dos votos. A coligação socialista BSP sobe 7 pontos percentuais em relação a 2014.

Croácia

Com 22,72% dos votos, o partido nacionalista conservador HDZ vence as eleições europeias na Croácia, segundo os dados finais divulgados pelo Parlamento Europeu. Seguem-se os sociais-democratas do SDP, com 18,71% e a coligação Hrvatski suverenisti, com 8,52%.

Em quatro lugar surge a lista do juiz independente Mislav Kolakusic (7,89%%), seguida pelos populistas do Zivi Zid, com 5,66%. A coligação de partidos liberais “Amsterdam coalition”, teve 5,19% e conseguiu o seu primeiro assento no Parlamento Europeu.

Chipre

As sondagens deste domingo parecem confirmar a vitória do partido do governo, o DISY, da família do PPE. Os resultados estão em linha com os de 2014. O AKEL surge em segundo lugar — com Niyazi Kizilyurek a ser o primeiro cipriota turco a ser eleito.

Dinamarca (estimativa)

As projeções confirmam a vitória dos sociais democratas, à frente do partido de centro-direita Ventre, que governa o país em coligação. O Partido Socialista surge apenas em terceiro.

Eslováquia

A coligação liberal e pró-europeia de que faz parte Zuzana Caputova, a presidente do país, foi a mais votada nas eleições europeias. Em segundo lugar está o partido do primeiro-ministro eslovaco, Peter Pellegrini.

Eslovénia (estimativa)

Os social-democratas de centro-esquerda ficaram em segundo lugar, mas mais do que duplicaram os seus resultados de 2014. A lista liderada pelo primeiro-ministro do país, entretanto, ficou em terceiro com 15,62%. À frente está o Partido Democrata.

Espanha (estimativa)

Os resultados em Espanha consolidam a posição dos socialistas, depois da vitória de Pedro Sánchez nas legislativas de abril. O PSOE ficou com 32,83% dos votos, conseguindo eleger 20 eurodeputados. Já o Vox conseguiu eleger três representantes para o Parlamento Europeu. Destaque para o resultados dos independentistas catalães: Carles Puigdemont e Oriol Junqueras foram eleitos — apesar de o primeiro estar exilado na Bélgica e o segundo estar preso preventivamente.

Estónia

O partido de centro-direita Reforma venceu as eleições com 26,20% dos votos, elegendo assim dois deputados. Seguiram-se os sociais-democratas, com 23,30% e também dois deputados eleitos. O último partido a conseguir eleger um deputado foi o EKRE, da extrema-direita e anti-União Europeia.

Finlândia

A Coligação Nacional ficou em primeiro lugar, mas com uma percentagem um pouco mais abaixo da conquistada em 2014. A Liga Verde conquistou o segundo lugar com 16% e acabou por derrotar os sociais-democratas (14,6%) .

França

A União Nacional (antiga Frente Nacional) surge à frente nas projeções em França, com 23,31% dos votos. O Renascença, de Emmanuel Macron, ficou em segundo lugar com 22,41%. Pela segunda vez consecutiva, o partido de Marine Le Pen vence as eleições europeias em França.

Grécia (estimativa)

A Nova Democracia, o principal partido político de centro-direita, deve vencer as eleições. No entanto, a Grécia está mais concentrada na política interna do que na europeia por causa não só da situação económica, como também por causa do acordo com a Macedónia do Norte.

Holanda (estimativa)

As projeções avançadas pelo Parlamento Europeu indicam a vitória do Partido Trabalhista, de Frans Timmermans. Na segunda posição surge o Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD, centro-direita) do chefe do Governo holandês, Mark Rutte.

Destaque também para o quarto lugar, ocupado pelos nacionalistas do Fórum pela Democracia, liderados por Thierry Baudet. Poderá conseguir a eleição de três eurodeputados.

Hungria (estimativa)

Com a maioria dos votos, 52%, o partido de direita Fidesz elegeu 13 dos 21 deputados húngaros, seguindo-se a Coligação Democrática, com 17,98% e quatro deputados eleitos. O movimento liberal Momentum, nascido há dois anos, conseguiu 10,11% dos votos, com dois representantes eleitos.

O Fidesz, recorde-se, tem estado de costas voltadas com Bruxelas sobre questões como a migração. O partido chegou a ser suspenso do Partido Popular Europeu.

Irlanda (estimativa)

O partido conservador no poder na Irlanda, o Fine Gael, venceu as eleições europeias, sem grande surpresa. De acordo com as projeções, segundo e terceiro lugares serão ocupados pelo Partido Verde e pelo Fianna Fail (centrista). O Sinn Féin obteve 13% e elege um eurodeputado.

Itália (estimativa)

O Liga, um partido de extrema-direita que representa a menor parcela da coligação que governa o país, levou a melhor nas eleições europeias. O maior parceira dessa coligação, o Movimento Cinco Estrelas, ficou em terceiro lugar.

Letónia (estimativa)

O partido liberal-conservador da New Unity – alinhado com o EPP – manteve o primeiro lugar, embora a percentagem de votos tenha caído para quase metade dos valores conquistados em 2014.

Lituânia (estimativa)

Os resultados obtidos pelos partidos foram muito equilibrados entre si. A União Pátria, um partido de centro-direita, ganhou com 17,41% dos votos, seguida pelo Partido Social Democrata com 16,90%. A União dos Agricultores e Verdes também conquistou o terceiro lugar na Lituânia, com 13,93%.

Luxemburgo (estimativa)

O Partido Democrata liberal e o conservador Partido Social-Cristão elegeram dois eurodeputadas e as percentagens que cada um conquistou foram muito próximas: 21,44 e 21,1%, respetivamente. No terceiro lugar está o Partido dos Verdes, não muito abaixo, com 18,91% dos votos.

Malta

Os dois principais partidos malteses são os únicos a conquistar lugares no Parlamento Europeu. Um leva quatro pessoas para Bruxelas, outro leva duas. De fora ficam, embora sem surpresas, os partidos eurocéticos da extrema-direita de Malta.

Polónia

Apesar de ter sido o PiS (Partido Lei e Justiça) o que mais lugares no Parlamento Europeu elegeu, a verdadeira vitória é do Wiosna. Esse é um partido recém-formado pelo primeiro político assumidamente homossexual da Polónia, Robert Biedroń. Conquistou três deputados.

Portugal (estimativa)

Em Portugal, a surpresa da noite está no facto de o PAN poder eleger um (ou até mesmo dois) deputado no Parlamento Europeu. O PS, o partido a que pertence o primeiro-ministro, é o que conquista um melhor resultado nacional. O CDS-PP é o grande derrotado e fica abaixo do PS, do PSD, Bloco de Esquerda e CDU.

Reino Unido (estima)

O Partido do Brexit, liderado por Nigel Farage, está à frente do segundo classificado, os democratas liberais que querem que o Reino Unido continue na União Europeia, por mais de dez pontos percentuais.

República Checa

Os centristas conseguiram aumentar os seus representantes no Parlamento Europeu para 6 deputados, conseguindo 21,18% dos votos. Em segundo lugar ficou o Partido Democrático Cívico (ODS), com 14,54% dos votos e quatro deputados eleitos.

Roménia (estimativa)

Os sociais-democratas foram ultrapassados, talvez à conta dos desacordos com Bruxelas relativamente às reformas anti-corrupção. À frente ficou Partido Nacional Liberal, que nas sondagens supostamente não passaria de um empate com o PSD — mas que na realidade o ultrapassou. A ajudar nos resultados dos partidos da oposição ao PSD está o facto de este domingo também estar a acontecer um referendo sobre essas mesmas reformas.

Suécia (estimativa)

Na terra de Greta Thunberg, considerada por muitos o rosto mais ativo da defesa da natureza, os Verdes sofreram uma derrota que contrasta com o que tem acontecido no resto da Europa. Os social-democratas conquistaram quase um quarto dos votos, mas a coligação dos Verdes perdeu quatro pontos percentuais em relação às últimas eleições.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: soliveira@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)