Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No final, ganharam os médicos. As Faculdades de Medicina, que, pela primeira vez em vários anos, podiam criar mais vagas nos cursos superiores, não o fizeram. O presente de Manuel Heitor foi assim recusado e os cerca de 200 novos lugares que podiam ter surgido em todo o país não passaram do papel, neste caso do despacho assinado pelo ministro do Ensino Superior, a 12 de junho de 2020. Números totais, o concurso nacional de acesso ao ensino superior deste ano tem mais 1% de vagas do que o do ano anterior, com um total de 52.129 lugares fixados.

Para os cursos mais procurados pelos alunos com notas mais altas há mais 240 vagas, enquanto que as instituições do interior aumentam 2% os lugares disponíveis. Apesar disso, Lisboa, Porto e Coimbra mantêm-se os distritos com mais oferta e são os cursos de Engenharia, Indústrias Transformadoras e Construção que mais vagas aumentam em números absolutos. São mais 318, fazendo subir o total para 11.946.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.