802kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

LUSA

LUSA

Catarina Martins usa legislação laboral para colar PS à direita

Foi à boleia da legislação laboral que Catarina Martins voltou a atacar o PS, tentando colar os socialistas à direita. A campanha pelo voto útil à esquerda está em marcha.

Artigo em atualização ao longo do dia

A campanha do Bloco de Esquerda esteve em Faro, onde a caravana visitou um centro de investigação marítima — Centro de Ciências do Mar do Algarve. Catarina Martins, Mariana Mortágua, Jorge Costa e João Vasconcelos (candidato do BE pelo círculo de Faro) espreitaram por diversas vezes para dentro de tanques e aquários onde nadavam peixes, chocos ou até cavalos marinhos. A intenção era alertar para as alterações climáticas e para a extinção de espécies — na Ria Formosa, mesmo ao lado das instalações visitadas pelo BE, a quantidade de cavalos marinhos tem estado a diminuir — mas foi a legislação laboral que acabou por marcar esta iniciativa de campanha — e com ela novos ataques ao PS.

Depois de ouvir explicações sobre as espécies criadas neste centro de investigação, Catarina Martins falou aos jornalistas sobre as alterações à legislação laboral aprovadas no fim da legislatura pelo PS — com as abstenções de PSD e CDS — que BE, PCP e PEV decidiram enviar para o Tribunal Constitucional. Uma ação que ficou concluída esta tarde e que foi anunciado pelo líder do grupo parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, na sua conta de Twitter. “Está entregue no Tribunal Constitucional o pedido de fiscalização das alterações ao Código do Trabalho. O PS apoiou-se na direita para insistir no alargamento do período experimental, aumentando a precariedade, atacando a Constituição e os jovens”, escreveu o deputado. “A luta por emprego com direitos volta ao TC”.

Este tema surge no início da campanha e logo no dia seguinte ao arrufo entre PS e BE. O anúncio de que os partidos de esquerda iam levar estas alterações ao Palácio Ratton foi feito ainda em agosto mas só agora foi concretizado. A entrega do pedido de fiscalização sucessiva surge no timing ideal, já que permite aos bloquistas continuar no caminho de distanciamento dos socialistas para tentar capitalizar o voto útil da esquerda — a estratégia que Catarina Martins já assumiu ser a sua para esta campanha.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

LUSA

Assim, e à semelhança de Pedro Filipe Soares, a coordenadora do BE aproveitou o tema para voltar a atacar o PS. “Achamos que é um erro que o PS tenha decido acabar esta legislatura não no acordo de combate à precariedade que tinha feito à esquerda mas num acordo patronal com o apoio da direita que acaba por aprofundar a precariedade e ir contra o TC. É um caminho diferente daquele que fizemos ao longo  dos últimos quatro anos”, afirmou.

A expectativa do Bloco de Esquerda, que segundo Catarina Martins trabalhou “muito bem” com o PCP neste dossiê, é que o Tribunal Constitucional bloqueie três normas: o alargamento do período experimental, o alargamento de contratos de curta direção — “contratos orais e informais” — a todos os setores da economia, e uma terceira, que não foi não foi alvo de alteração na última revisão das normas mas que a esquerda aproveitou para enviar ao TC, que tem a ver com a caducidade de algumas convenções coletivas e que altera as regras de funcionamento de alguns sindicatos. Esta última foi sugerida pela CGTP e aceite pelos três partidos.

A tentativa do Bloco de Esquerda de colar o PS à direita prossegue

Depois de um dia de campanha marcado quase exclusivamente pelo bate-boca com o PS, o BE quis voltar à normalidade na campanha. O assunto parece encerrado pela parte dos bloquistas e é tempo de voltar a concentrar forças na mensagem que se quer passar e de colocar o foco no partido. Mas nem para isso Catarina Martins dispensa os socialistas. Aliás, o desentendimento sobre a paternidade da “geringonça” permite que os dois partidos se distanciem e afastem a imagem de quatro anos de braço dado, a aprovar orçamento após orçamento. A líder do Bloco não perdeu tempo a marcar as distâncias e logo na visita ao Mercado de Benfica, a primeira ação de campanha desta quarta-feira, pediu um voto assegurando que esse é o caminho para evitar uma maioria absoluta do PS.

A estratégia está fixada: apelar ao “voto útil” da esquerda no BE. É a própria Catarina Martins que o reconhece. “Claro que sim [que o partido está a apelar ao voto útil para travar a maioria absoluta do PS]. O Bloco de Esquerda está em eleições”, afirmou em declarações aos jornalistas. “Claro que o Bloco está a apelar ao voto”.

Ao longo da visita, em que Catarina Martins esteve acompanhada pelos primeiros candidatos do partido pelo círculo de Lisboa, distribuiu jornais e cumprimentos, e ouviu alguns compradores, que se queixavam ora das suas pensões ora do estado do SNS. Mariana Mortágua também ia sendo solicitada. Nas respostas, lembravam as medidas que o BE ajudou a tomar neste legislatura e reconheciam que nem tudo estava bem. “Já fizemos uma parte mas é preciso fazer mais”, iam respondendo.

LUSA

Convidada por uma peixeira para ir para trás da bancada — “venha, não tenha medo que eu sou uma mulher de esquerda” — Catarina Martins acedeu ao pedido. Quando se aproximou, a vendedora esclareceu: “Sou de esquerda, mas não sou do PS”. A líder bloquista riu-se e prosseguiu a conversa.

A peixeira ia lamentando o facto de a “geringonça” não ter chegado mais longe mas não tinha dúvidas de quem era o culpado. “A culpa é do PS, que às vezes é mais de direita e até se entende com eles. Sou uma mulher de esquerda e não quero que o PS tenha maioria”,  disse. Chegava a poder confundir-se quem é que estava afinal a fazer campanha. “É para isso que estamos a lutar”, respondeu Catarina Martins, que, depois de olhar para a multidão de microfones estendidos na sua direção, não se esticou em mais declarações.

À saída do mercado, e depois de ter havido quem protestasse — “ontem estiveram cá uns, agora estão outros… tragam mas é freguesia que isto está muito mau” — , Catarina Martins voltava à carga com a necessidade de travar a ambição dos socialistas. “Uma maioria absoluta é um projeto diferente de país. Quem sabe como foi construído este tempo, estes quatro anos, a puxar pela pensão, pelos salários, pelos serviços públicos e por uma economia mais forte sabe que a maioria absoluta não é resposta e sabe que tem sempre o BE ao seu lado”, disse.

Catarina Martins não quer que Tancos seja “caso de eleições”

Na mesma ronda de respostas aos jornalistas, a líder do Bloco de Esquerda foi instada a comentar o caso Tancos e os recentes desenvolvimentos, que trazem a público uma escuta em que o Major da PJ Militar, Vasco Brazão, afirma que o “papagaio-mor do reino” sabia de tudo — o MP acredita que a alcunha diga respeito a Marcelo Rebelo de Sousa. “Este é um caso que não é de agora e portanto julgo que não deve ser um caso de eleições, até porque já decorre há bastante tempo”, considero a líder do BE.

Tancos. “É bom que fique claro que o Presidente não é criminoso”, diz Marcelo

“A acusação ainda não se conhece e não vou fazer qualquer especulação sobre essa matéria. Vou repetir o que o BE disse sempre: a justiça deve fazer o seu caminho e deve apurar todas as responsabilidade e todas as consequências. Portugal é uma democracia e é assim que deve continuar”, acrescentou ainda, evitando falar mais sobre o tema, que marcou a manhã desta quarta-feira e já motivou uma reação do próprio Marcelo Rebelo de Sousa, que à margem da Assembleia-geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, disse aos jornalistas não sabia de nada. “É bom que fique claro que o Presidente não é criminoso”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa